A regata e a Vila Náutica de Itajaí

Cidade portuária deu uma demonstração de que é possível aprimorar e valorizar a relação entre moradores e atividades náuticas

É inquestionável o sucesso do evento Volvo Ocean Race, que colocou Itajaí em destaque internacional no fim de semana, com a chegada dos barcos que lideram a regata de volta ao mundo, iniciada no final do ano passado. No sábado, mais de 10 mil pessoas prestigiaram a grande festa em torno da competição, realizada na Vila Náutica, junto ao Parque da Marejada, local que dispõe de infraestrutura completa para receber os visitantes, inclusive com atividades educativas destinadas aos alunos da rede escolar municipal. Uma vitória do prefeito Jandir Bellini e do secretário de Desenvolvimento Sustentável de Santa Catarina, deputado Paulo Bornhausen, que enfrentaram uma saraivada de críticas dos opositores, mas, ao fim e ao cabo, foram aplaudidos pela maior parte da população. Em tempo: nas redes sociais, os comentários sobre o evento foram praticamente unânimes quanto a uma questão – se a Vila Náutica tivesse sido projetada para Florianópolis, jamais sairia do papel, por causa dos “contras”.

Solidariedade

A Casa Lar Luz do Caminho, que no momento abriga 10 crianças – de recém nascidas até dois anos – abandonadas pelos pais, está precisando de carnes, verduras, frutas, fraldas (tamanhos RN e XXG) e leite Nan 1 e 2. A instituição fica nos Ingleses. Mais informações pelos telefones 3206-9519 ou 9632-4260.

Divulgação James Tavares

Cultura

Tradição e tecnologia no Ribeirão da Ilha

Contraste

No registro da encenação da Paixão de Cristo, realizada no Ribeirão da Ilha, o contraste entre a alta tecnologia e uma tradição milenar.

Combate

“Se em 2011 foi o ano de afiar a espada, em 2012 toda energia destas unidades está voltada para rondar e prender”, diz o comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Araújo Gomes, ao comemorar sucessivas vitórias de suas equipes no combate ao tráfico de drogas. Os locais mais visados pelo 4º BPM são Tapera, Campeche, Armação, Maciço do Morro da Cruz e Pantanal.

Deixa…

A rigor, em se tratando de cargos de confiança, um governante pode exonerar quem quiser, sem ter que dar satisfações à sociedade. Porque esse é o jogo. O que surpreendeu, no caso do delegado Cláudio Monteiro, foi a inabilidade política oficial ao afastar o profissional logo após uma bem-sucedida ação policial contra perigosos assaltantes que atacavam caixas eletrônicos.

… estar

No dia seguinte à exoneração, mencionei aqui que o secretário Cesar Grubba decidira pela medida de forma imediata para não incorrer no crime de “prevaricação”, ou seja, em omissão diante da ciência de um erro cometido por um subordinado. Ocorre que o caso já era do conhecimento das autoridades em janeiro deste ano. E o problema das diárias foi há mais de um ano. De onde se deduz que a omissão – ou o “deixa estar” – já havia ocorrido.

Jogo de erros

Os quatro erros do governo: 1 – Se o delegado estava sob investigação interna, deveria ter sido, pelo menos, afastado provisoriamente das operações da delegacia que comandava. 2 – Afastar Cláudio Monteiro logo após a operação vitoriosa contra assaltantes de caixas eletrônicos. 3 – Exonerá-lo às vésperas de um longo feriadão (para o poder público, começou na quinta-feira). 4 – Não convocar uma coletiva para explicar as razões, divulgando-as de forma esparsa e, ainda, privilegiando uma rede de comunicação.

Em rede

A resposta ao mau gerenciamento da crise envolvendo a segurança pública do Estado está na internet: ontem, a comunidade “Fica Monteiro”, no Facebook, já tinha mais de 27 mil membros. E circulava também a petição pública, assinada em rede, pedindo a manutenção do delegado em seu cargo. Não faço ideia do número de assinantes, porque, para saber, precisaria assinar também.

Guerra surda

Há uma guerra surda entre Polícia Militar e Polícia Civil. O conflito não é de hoje, apenas se agravou no governo passado e continua muito acentuado na atual administração. Tanto que, há dias, um oficial do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) desdenhou no Twitter de uma investida dos policiais civis que resultou em prisões de pequenos traficantes na comunidade Chico Mendes.

Freio

Entidades filantrópicas e religiosas, escolas e creches ficam isentas de pagar direitos autorais em eventos beneficentes promovidos para angariar fundos visando à sua manutenção e funcionamento. Com esse objetivo, o senador Paulo Bauer (PSDB-SC) apresentou um projeto de lei que altera a legislação dos direitos autorais, colocando um freio nas odiáveis ações do Ecad.

* * *

A proposição engloba o uso de obras literárias, cinematográficas, artísticas ou científicas, fonogramas e transmissões de rádio e televisão, representação teatral e musical.

Tijucas

O município de Tijucas promoverá, nos próximos dias 16 e 17, o seminário “Plano Diretor de Tijucas e suas variações ao desenvolvimento sustentável”, com a participação dos arquitetos Liliani Zunino Duarte e Stavros Wrobel Abib, e da advogada Lélia Regina Campos de Oliveira Ternes. O evento será aberto à comunidade.

Solução

Sobre a muvuca no trânsito registrada na Rua dos Ilhéus na semana passada, o leitor Paulo Roberto Witoslawski observa que o caso dos carros-fortes em Florianópolis virou um abuso “tolerado pelo poder público. Se o Banco do Brasil tem uma garagem, por que não é usada pelos transportadores de valores, que insistem em estacionar em fila dupla, trancando o trânsito diariamente?”.

Divulgação

Urbanismo

Crescimento da cidade: população deve acompanhar

Plano Diretor….

O geógrafo José Luiz Sardá observa, sobre o Plano Diretor de Florianópolis, que “não há um entendimento entre comunidade organizada e prefeitura, pois parte dos estudos, debates, encaminhamentos e aprovações colocadas pelos representantes distritais dos núcleos gestores não foram incluídos no projeto apresentado recentemente pela prefeitura”.

… e participação

Mas José Luiz Sardá entende que as comunidades devem continuar participando das audiências públicas, orientadas tecnicamente pelo Conselho da Cidade. “Há de se considerar que num plano diretor sempre haverá conflitos e necessidades de atualizações”, completa.

Conivência

“Não surpreende o oportunismo político do neomalufismo com seu ‘bandido bom é bandido morto’. Triste é a conivência dos democratas”. Do leitor Clóvis Montenegro (RJ), em mensagem à coluna.