Advogados vão pedir que acusado de matar Gabriella em Joinville responda em liberdade

Atualizado

Preso no início da tarde desta sexta-feira (9), Leonardo Natan Chaves Martins tentará responder em liberdade a acusação de assassinar com um tiro a namorada Gabriella Custódio da Silva em julho deste ano, em Joinville. De acordo com a defesa, o pedido será entregue à Justiça até o final do dia.

O crime aconteceu no dia 23 de julho, na casa onde moravam os pais de Leonardo, no Distrito de Pirabeiraba. O advogado Jonathan Moreira Dos Santos espera que a Justiça leve em conta o fato do indiciado ter se apresentado em todas as vezes que foi solicitado.

“O Leonardo nunca se furtou das obrigações e compareceu a todos os atos na presença dos advogados e em momento algum se esquivou e hoje foi mais uma prova disso”, informou.

Leia também:

Mesmo com o inquérito indicando o crime de feminicídio, Leonardo alegou à polícia que o tiro foi acidental e que aconteceu enquanto ele mostrava a arma à Gabriella. A vítima foi transportada no porta-malas de um Chevrolet Captiva e deixada na porta do hospital.

“Nós estamos trabalhando com a hipótese de disparo acidental, que é o que foi levantado no inquérito e será provado na Justiça”, disse Jonathan.

Durante as investigações, a Polícia Civil não conseguiu localizar a arma usada no crime. Nos depoimentos, Leonardo e o pai informaram o local em que teriam jogado a arma, mas se negaram a dar mais detalhes. O pai do iniciado, Leosmar Martins responde um inquérito pelo porte ilegal da arma.

“A orientação [de não dar mais detalhes sobre a arma] foi da defesa. Então, tanto o Leonardo quanto o pai se dispuseram a ir até o local, mas, como orientação da defesa, essa proposta não foi aceita”, declarou o outro advogado Pedro Wellington Alves.

Notícias