Ambulantes credenciados poderão trabalhar até a publicação do novo edital em Florianópolis

O prazo estipulado pela Prefeitura de Florianópolis para o fim do trabalho dos 83 ambulantes cadastrados terminou nesta terça-feira (25). Eles foram notificados há três meses sobre a suspensão dos serviços. Apesar disso, o prefeito Gean Loureiro (PMDB) informou que os vendedores da economia informal continuarão trabalhando até a publicação do novo edital, que deve acontecer até o fim do ano. O objetivo da prefeitura é reorganizar o setor, para que os ambulantes não trabalhem de forma conflitante com o comércio formal estabelecido. A Associação dos Vendedores Ambulantes de Florianópolis está apreensiva com a fórmula de como edital será elaborado.

Vilma Pinheiro, que trabalha há 17 anos como ambulante, também está preocupada com os outros vendedores - Marco Santiago/ND
Vilma Pinheiro, que trabalha há 17 anos como ambulante, também está preocupada com os outros vendedores – Marco Santiago/ND

Os ambulantes trabalham legalizados desde julho de 2013, quando o ex-prefeito César Souza Júnior (PSD) regulamentou o decreto 11.864. Na época, os membros da associação foram credenciados. “Estamos em fase final de elaboração do edital e até a publicação e o prazo de instauração vai um tempo ainda. A gente não prorroga, mas mantém a característica atual do Centro para que todos tenham um tempo para a adaptação do novo edital que deve acorrer até o fim do ano”, explicou o prefeito.

Localizados nos principais calçadões, ruas e avenidas do Centro, os ambulantes comercializam diferentes produtos e serviços. São meias, panos de prato, relógios (venda e conserto), pilhas, amendoim, algodão doce, controles, etc.

<< Gean diz que vai “retomar ordem” e ambulantes cadastrados só poderão trabalhar até julho >>

A vice-presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes, Vilma Pinheiro, 49 anos, diz que a categoria está aflita com essa situação. “Temos ambulantes entrando em depressão com essa licitação. A maioria trabalha nas ruas há anos e não tem outra qualificação profissional. Continuaremos trabalhando até dezembro e depois veremos o que acontece”, disse Vilma, que trabalha na esquina das ruas Álvaro de Carvalho e Conselheiro Mafra há 17 anos.

Vendedores preocupados com a forma do processo de seleção

Há 30 anos na esquina das ruas Deodoro e Conselheiro Mafra, o ambulante Donizete Ribeiro, o Maradona, 52, vende e conserta relógios. Ele também comercializa pulseiras, pilhas e outros acessórios. Com a possibilidade de não ser escolhido no edital, o vendedor informal já imagina como será o futuro. “Quer dizer que fiz o ponto durante três décadas para outra pessoa ganhar a licitação e me expulsar daqui. O ambulante que não for contemplado com a licença vai engrossar a fileira dos ilegais, porque deixar de trabalhar ninguém vai. Acredito que devam colocar critérios sociais para beneficiar quem realmente precisa trabalhar”, desabafou.

O prefeito Gean Loureiro esclareceu que a fiscalização será orientada a tolerar o serviço dos ambulantes cadastrados anteriormente até o edital. O diretor da Sesp (Superintendência Especial de Serviços Públicos), Maycon Oliveira, informou que os editais dos ambulantes permanentes e dos temporários para o verão devem ser concluídos na mesma época.

Mais conteúdo sobre

Cidade