Amigas constroem capela com cinco mil garrafas de vidro em Chapecó

Atualizado

Com a intenção de inovar e ajudar o meio ambiente, duas amigas de Chapecó, no Oeste do Estado, construíram uma capela com cinco mil garrafas de vidro. 

As professoras aposentadas Myriam Vivian Jung e Rita Sautier começaram a obra em fevereiro de 2016 e concluíram os trabalhos na metade de 2017. O projeto era ter um espaço colorido e cheio de espiritualidade.

Rita e Myriam – Foto: Ezequiel Marsango/NDTV/ND

A capela fica localizada no sítio Passárgada, onde o nome faz alusão a um poema de Manuel Bandeira que fala do mundo imaginário e, ao mesmo tempo, um pedaço do céu. 

Com alguns esboços e a vontade de criar, a construção deixou o papel, sem seguir uma referência da arquitetura antiga ou contemporânea. 

“Gosto muito de guardar coisas e estava armazenando garrafas para que um dia tivesse uma ideia diferente. Aí surgiu esta ideia: vamos fazer uma capela com as garrafas que temos, e deu certo”, disse Myriam Vivian Jung, professora aposentada.

Capela já pronta – Foto: Ezequiel Marsango/NDTV/ND

Através das sugestões de Mirian e o olhar profissional de Rita, que é professora de artes, que a construção se tornou uma realidade. 

“É um processo de muita paciência e de muita dedicação, pois começava às 10h da manhã e terminava 11h da noite, era algo que não conseguia largar. Foi algo que nos segurou mesmo, nos deixou bastante eufórica”, comenta Rita Sautier. 

Leia também:

Para a construção da capela, as professoras utilizaram o conceito de reaproveitamento de recursos. Das garrafas armazenadas ao longo do tempo e também recolhidas no comércio, aos objetos que compõe a capela. 

“Todos os santos que compõem a capela  foram ganhos de amigos e pessoas queridas que nos presentearam”, lembra Rita. 

A base da capela partiu de uma rocha que existe na propriedade. Além das quatro mil garrafas colocadas nas paredes, outras mil estão no piso, que depois de quebradas, foram concretadas. A ideia delas agora é construir um museu.

Quatro mil garrafas foram usadas nas paredes – Foto: Ezequiel Marsango/NDTV/MD

Meio Ambiente