Apenas 2% das pessoas com deficiência se vacinaram contra a gripe em SC

Atualizado

O Ministério da Saúde prorrogou até 30 de junho a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe. A medida foi tomada para que os estados possam atingir a meta de imunizar ao menos 90% de cada grupo prioritário, chegando a pouco mais de 221 mil pessoas em Santa Catarina. No entanto, até o momento o baixo índice de vacinação de um dos grupos chama a atenção.

O índice de pessoas com deficiência vacinadas até a última segunda-feira (1º) em Santa Catarina, era apenas de 1,99%, ou 4.405 pessoas. Fazem parte do grupo pessoas com deficiência física, auditiva, visual, intelectual e mental, além de deficiência múltipla.

Conforme a Dive (Diretoria de Vigilância Epidemiológica) o número baixo pode ser explicado pelo fato de que essa população foi incluída na campanha de vacinação apenas neste ano.

Questionado sobre o baixo índice, o órgão afirmou que acredita que os registros de vacinação dessas pessoas possa ter entrado em outros grupos como idosos, crianças ou pessoas com comorbidades.

Em Santa Catarina, a cobertura vacinal está em 65% de um público-alvo total de 2.674.128 pessoas, conforme o governo do Estado. A meta de 90% foi superada no grupo dos idosos (123%) e dos trabalhadores da saúde (102%). Nos demais, ainda está abaixo do esperado.

Leia também:

Florianópolis

Conforme a Secretaria de Saúde, em Florianópolis estão sendo aplicadas vacinas em domicílio para pessoas com deficiência ou com dificuldade de locomoção.

“É importante destacar que qualquer dificuldade pode ser entrado com a equipe dos Centros de Saúde, para agendar vacinas, e/ou tirar dúvidas”, afirmou a secretaria por meio de assessoria.

Para fazer o agendamento o usuário deve acessar o site e realizar o procedimento. A secretaria não informou, no entanto, o número de pessoas com deficiência já vacinadas na Capital.

Aflodef dá apoio

A Aflodef (Associação Florianopolitano de Deficientes Físicos) tem atuado no suporte a cadeirantes e pessoas com dificuldade de mobilidade em Florianópolis.

Até o momento, através do departamento de assistência social, o órgão levou uma mãe com uma criança cadeirante ainda no mês de abril para se vacinar no bairro Tapera, no Sul da Ilha.

Conforme a responsável pelo departamento, Rosane Rodrigues, a pessoa deve entrar em contato com a Aflodef, que dará suporte e levará o solicitante até o ponto de vacinação.

Na próxima segunda-feira (8), o órgão deverá levar um morador do bairro Agronômica para vacinação. Caso tenha necessidade, a pessoa deve entrar em contato pelo telefone (48) 3228-3232.

Vírus de imunização

A vacina da gripe imuniza contra três subtipos do vírus que são: influenza A (H1N1); influenza A (H3N2) e influenza B e contribui para que haja redução de casos graves, complicações, internações e, consequentemente, óbitos em decorrência da gripe.

A gerente de imunização lembra que a grande maioria dos casos de gripe é leve e acaba se resolvendo de forma espontânea, sem sequelas ou complicações. No entanto, principalmente, nas pessoas que fazem parte dos grupos prioritários, o quadro pode se agravar.

Doses recebidas

Santa Catarina já recebeu um total de 2.506.200 doses da vacina contra a gripe, conforme o governo do Estado. O quantitativo equivale a 93% do total de doses necessárias para imunizar toda a população dos grupos prioritários.

As doses foram encaminhadas pelo Ministério da Saúde ao Estado em 13 remessas nos meses de março, abril e maio. Todas as doses já foram encaminhadas aos 295 municípios catarinenses, afirma o Executivo estadual.

Saúde