As ressacas ficam piores com a idade, entenda o motivo

O feriadão está chegando e muita gente aproveita o tempo de folga para beber com os amigos. No dia seguinte, vem a ressaca e o arrependimento. É a hora que você se lembra de quando era mais jovem e costumava acordar sem os efeitos horríveis do dia pós-bebedeira. As informações são do Portal R7.

De fato, existe uma explicação para as ressacas ficarem piores conforme envelhecemos.

– Flavio Tin/Arquivo ND

Leia também

Alexandre Sakano, gastrocirurgião da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, explica que “a ressaca ou a tolerância ao álcool dependem muito do ‘treinamento’ que o organismo tem”.

Segundo ele, “é igual ao esporte, quanto mais habituado, mais condicionado”.

“Quem bebe pouco por hábito vai ficando menos tolerante ao álcool ao longo da vida. O organismo vai envelhecendo um pouco e a pessoa já não tem tanta resistência para dormir até tarde, o fígado já não metaboliza o álcool tão rápido quanto antes…”

Pessoas que estão acostumadas a beber com frequência e em maiores quantidades terão mais resistência e, consequentemente, não sofrerão tanto com os efeitos colaterais no dia seguinte.

Antes de entender um pouco sobre a ressaca, é preciso saber sobre os efeitos do álcool no organismo. O fígado, em condições normais, tem a capacidade de metabolizar cerca de 50 g de álcool por hora. “Isso equivale a algo entre uma e duas latinhas de cerveja, uma ou duas taças de vinho”, observa Sakano.

Ou seja, se você passar o dia bebendo devagar, as chances de ficar bêbado são menores. Mas aí existe outro item a ser considerado. O álcool ‘rouba’ água do nosso corpo durante o metabolismo. “E tem também o efeito diurético, que faz com que a pessoa urine com mais frequência, também perdendo água”, acrescenta o médico.

Por isso, a importância de se hidratar constantemente enquanto estiver bebendo. Comer antes de beber também faz a diferença. Alimentos mais gordurosos costumam retardar os efeitos do álcool. O que deixa uma pessoa bêbada é o álcool que o fígado não consegue metabolizar e é jogado na corrente sanguínea.

Posteriormente, a metabolização vai gerar toxinas, que ficam circulando no sangue no dia seguinte. “A boca seca, com gosto de ‘cabo de guarda-chuva’ é devido à desidratação. A ressaca também se caracteriza por edema [inchaço] no cérebro. Por isso tem dor de cabeça, tontura, mal-estar. A melhora está relacionada à capacidade do organismo de digerir tudo e voltar ao normal”, diz Sakano.

Outro mito em que as pessoas normalmente acreditam na hora de beber é que não se deve misturar os tipos de bebidas. O gastrocirurgião ressalta que “a ressaca é igual”, pois depende apenas da quantidade de álcool da bebida.

“Uma latinha de cerveja tem cerca de 4% de álcool; uma dose de uísque, 40%. É óbvio que se você beber dez latinhas e depois uma dose de uísque, a quantidade de álcool vai ser como se tivesse bebido mais ou menos 15 cervejas.”

Mais conteúdo sobre

Saúde