Ordem de assalto a banco de Apiúna foi de detentos de Chapecó, diz polícia

Atualizado

A Polícia Civil desencadeou a operação “Saque Recusado” nesta quarta-feira (29) em Santa Catarina. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva contra líderes de facção criminosa envolvida no assalto ao Banco Bradesco em Apiúna, no Vale do Itajaí. As buscas e prisões foram realizadas em Apiúna, Indaial, Blumenau e Chapecó.

Vigia do banco foi levado como refém pelos assaltantes no capo do carro utilizado na fuga – Foto: Reprodução/ND

Segundo o delegado Ronnie Esteves, responsável pela investigação, dois detentos da Penitenciária Industrial de Chapecó tiveram prisão preventiva decretada por planejar o roubo. As ordens judiciais foram cumpridas na unidade prisional, nesta quarta-feira.

“Apuramos que todo o planejamento do crime veio das dependências do referido estabelecimento prisional com a utilização de telefones celulares por dois líderes da facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios”, afirmou o delegado.

Na cela em que os dois detentos estavam foram apreendidos um celular, carregadores artesanais e cartas relacionadas à facção criminosa. Conforme o delegado, possivelmente o mesmo celular utilizado para arquitetar o assalto ao banco foi apreendido. Um terceiro envolvido que também teve a prisão decretada está foragido.

Nas buscas, um homem foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. Também houve a apreensão de diversos instrumentos utilizados para a fabricação de armas de fogo.  

Os objetos foram localizados em um sítio na localidade da Vargem Grande, em Apiúna, e era de propriedade de um dos investigados que se encontra preso desde o dia 18 de dezembro de 2019.

Leia também:

Investigação 

A operação desta quarta-feira é um desdobramento da investigação que se iniciou no mês de dezembro 2019, logo após a execução do crime. Os líderes da organização criminosa são de alta periculosidade e responsáveis pelo fornecimento do armamento, coletes e demais objetos utilizados para a execução do roubo.

Ao total, sete pessoas estão presas pelo assalto, um suspeito foi morto em confronto com a polícia na época e um está foragido.

“O crime contra o banco Bradesco em Apiúna está definitivamente solucionado, com a identificação e a participação de todos os investigados”, concluiu o delegado. O crime ocorreu em 17 de dezembro. 

Relembre o caso 

Depois de assaltar o Banco Bradesco e fazer reféns no dia 17 de dezembro, os assaltantes levaram os reféns no capô do carro, houve trocas de tiro, onde um policial foi baleado de raspão no braço e acabou perdendo o controle da viatura e colidindo em um poste. Além dele, o sargento Goles também foi alvejado na mão, levado ao hospital de Indaial e não corre risco de morte.

Na fuga, os homens levaram o vigia do banco como refém no capô do carro. Entretanto, o refém foi liberado pelos homens pouco tempo depois na Estrada Ribeirão Carvalho.

Os homens ainda atearam fogo em um veículo no km 85 da BR-470 para dificultar a perseguição dos policiais. Também foram colocados “taxões miguelitos” na estrada para furar os pneus de quem os seguissem.

Mais conteúdo sobre

Polícia