Segurança Pública identifica mandantes dos ataques a ônibus no Estado

Detentos que ordenaram atentados estão isolados e devem ser transferidos para presídios federais.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado confirmou que a ordem para os atentados recorrentes aos ônibus em Santa Catarina partiu de dentro do sistema prisional. Os mandantes dos ataques já foram identificados, juntamente com outros sete executores dos crimes – dentre eles, menores de idade. Segundo o secretário Cesar Grubba, os mandantes já estão isolados e devem ser transferidos para presídios federais.

Divulgação/PM

Legenda

“Os mandantes já estão isolados e serão transferidos para presídios federais, além de serem responsabilizados criminalmente e enquadrados na lei de execução penal. Sete executores dos atentados também já foram identificados. Eles já foram indiciados em inquéritos policiais com pedidos de prisão e dois deles já estão detidos”, afirmou o secretário. Os nomes dos suspeitos não foram identificados para não atrapalhar a investigação.

De acordo com o Governo, a greve dos agentes penitenciários motivou os atentados em Santa Catarina. “A motivação dos atentados é lógica: foi devido a grece dos agentes, que com suas consequencias gerou insatisfação dos presos que resultou nos ataques. A partir do momento que a greve cessou, cessou a ordem de ataques e os atentados. Os fatos caracterizam uma organização criminosa, mas não no viés dos mesmos ataques que ocorreram em 2012”, confirmou Grubba.

Perante a negociação com os agentes prisionais, que retomaram os trabalhos mas ainda encontram-se em estado de greve, o Governo confirma avanços. “Tivemos uma reunião ontem [quinta-feira] a tarde com eles e tivemos certos avanços: mediante aos dias parados eles serão remunerados parcialmente, não haverá retaliações por parte do Estado, e também haverá contratação de 300 novos agentes, que comecarão a atuar neste primeiro semestre”, relatou Sady Becker, secretário da Justiça e Cidadania do Estado.

Sobre a gratificação salarial dos agentes prisionais, Sady relata ainda que não ocorrerá por conta da questão eleitoral. “A concessão do benefício financeiro é absolutamente vedada pela lei eleitoral no momento. Mas existe a possibilidade de diversos reflexos financeiros para ano que vem – um deles é a revisão dos termos de aposentadoria dos agentes”, afirmou.

Conforme o Governo, o reconhecimento dos mandantes e parte dos executores e dos atentados e a cessão da paralisação dos agentes não significa diretamente o fim dos ataques. “Isso não significa que os ataques cessarão. Nossas polícias estão em alerta e nossos serviços de inteligências continuam monitorando as atuações dentro e fora do sistema prisional”, concluiu o Cesar Grubba. Santa Catarina conta atualmente com o efetivo de 3.580 policiais civis e mais de 11.100 policiais militares. Os mandantes dos atentados irão responder pelos mesmos crimes que os executores cometeram, entre eles incêndio qualificado, formação de quadrilha e dano ao patrimônio público.

Mudanças no sistema prisional
De acordo com a Secretaria de Justiça e Cidadania, as obras de instalação do novo Centro de Triagem da Grande Florianópolis irão iniciar nas próximas duas semanas. “Estamos muito próximos para inicio da construção do novo presídio. Garanto que as obras iniciaram em no máximo 15 dias. Também há diversas medidas de ampliação do sistema carcerário em todo o estado: Itajaí, Chapecó, Criciuma, entre outros”, concluiu Sady Becker.

Quanto ao fato de parte dos executores dos recentes atentados serem menores de idade, o Governo confirma que atitudes estão sendo tomadas para fortalecer a estrtura socioeducativa dos adolescentes infratores. “Temos dois Case [Centro de Atendimento Socioeducativo], um na Grande Florianópolis e outro em Joinville, com 90 vagas cada um, que já estão prontos e abrirão muito em breve. Abriremos licitação no dia 22 deste mês para a construção de um Case também em Chapecó”, afirmou o secretário de Justiça e Cidadania.

Confira a retrospectiva dos recentes atentados em Santa Catarina:
Desde o início da greve dos agentes penitenciários, pelo menos oito ônibus foram queimados no Estado.

Sábado (29/3): um ônibus é incendiado na Capital

Sexta-feira:  dois ônibus são queimados em Criciúma, por volta das 19h. Um terceiro transporte coletivo também é incendiado em Florianópolis

Sábado: um ônibus é incendiado no início da noite em Joinville e um outro também em Criciúma

Segunda-feira: um ônibus foi incendiado a noite em Itajaí, o incêndio foi controlado pelo homem que informou ter encontrado uma garrafa de gasolina no local.

Terça-feira: um ônibus é queimado em Balneário Arroio do Silva, no Sul do Estado.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...