Aumento do despejo de esgoto não é causa da mancha em Perequê, dizem técnicos da Fatma

Análise indicou que não houve alterações significativas nos níveis de coliformes fecais

O resultado das análises da água coletada na praia de Perequê, em Porto Belo, foi divulgado na noite desta terça-feira (20) e indica que não houve alterações significativas nos níveis de coliformes fecais na foz do rio Perequê. No último domingo (17), uma enorme mancha escura vinda do rio apareceu na praia e mobilizou as autoridades competentes.

Na segunda-feira (18), técnicos da Fatma (Fundação Estadual do Meio Ambiente) foram ao local colher amostras para analisar a o aumento de contaminação na água, procedimento que foi repetido na manhã desta terça-feira.

RIC Record/Divulgação

Mancha preocupa, mas é preciso esperar resultado dos exames, diz Fatma

“Fizemos coletas ao longo do rio Perequê e rio da Fita, para ter ideia de qual ponto estaria mais poluído e em qual espaço estaria ocorrendo a possível contaminação. Mas, para se ter uma ideia, na área da estação de tratamento de esgoto da Conasa [Companhia Nacional de Saneamento], em Itapema, os dados de coliformes fecais, que indicam a presença do esgoto, são menores do que na foz do rio, o que nos leva a concluir que, durante o trecho do rio, quanto mais próximo à foz, há mais concentração de efluentes sanitários”, detalhou o gerente regional da Fatma, Arno Gesser.

Segundo Gesser, a balneabilidade da foz do rio e da praia continuam as mesmas, ou seja, impróprias, já que existe o efluente sanitário que continua sendo lançado clandestinamente. A causa da mancha, no entanto, continua incerta, mas o gerente regional da Fatma adiantou que é possível que decomposição de matéria orgânica e questões climáticas tenham contribuído para o escurecimento da água.

“Temos observado que as questões climáticas estão favorecendo as águas do mar, que ficam mais limpas e calmas, em um tom mais esverdeado. Então, qualquer coisa que venha de outra cor, dá um contraste. Entre os fatores que podem ter causado a mancha estão a decomposição da matéria orgânica, que deixa essa característica, aliada aos efluentes de esgoto sanitários, que as análises indicaram que não houve alterações significativas. O esgoto é o mesmo que estava sendo lançado antes”, explicou.

“Não houve nenhum evento extremo para gerar aquela mancha. Hoje ela já recuou, mas é claro que vai predominar na foz do rio alguns dias”, acrescentou ele, ao relatar que nesta terça-feira também foram feitas coletas para analisar a proliferação de algas, que também podem contribuir para a coloração mais escura.

O rio Perequê divide os municípios de Porto Belo e Itapema. Nesta terça-feira, o prefeito de Itapema, Rodrigo Bolinha, afirmou que a “mancha vem do município de Porto Belo”, mas a Fatma afirma que o lançamento de esgoto vem de ambas as cidades, por isso as prefeituras devem tomas as devidas providências em relação ao saneamento básico e fiscalização da contaminação.

Ainda nesta terça-feira, a Prefeitura de Itapema informou que contratou uma empresa especializada para coletar amostras da água e que o resultado deve sair após dez dias úteis.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...