Bairros mais altos e afastados ficam sem água, na Grande Florianópolis

Atualizado

Ficar sem água na torneira durante dias seguidos é o fim do bom humor para qualquer pessoa. Tem sido assim nas últimas semanas para moradores de bairros mais altos e afastados da estação de distribuição da Casan (Companhia Catarinense de Águas e Esgoto) na Grande Florianópolis. A estiagem deixou os rios que abastecem a região muito abaixo da média de vazão. Nessa quarta-feira (7), no bairro Sul do Rio, em Santo Amaro da Imperatriz, a companhia instalou uma bomba para retirar água do rio Cubatão e assim reforçar o abastecimento.

Técnicos da Casan instalaram uma bomba no rio Cubatão para reforçar abastecimento – Flávio Tin

De acordo com a Casan, a bomba “vai aumentar em mais 10% a captação de água no rio Cubatão”. A manobra faz parte do conjunto de ações diárias que os técnicos da companhia estão fazendo para manter o abastecimento na Grande Florianópolis afetado pela estiagem desde o começo de julho.

No bairro Boa Vista, em Biguaçu, os moradores enfrentam a estiagem do jeito que podem. A dona de casa Kátia Elisângela dos Santos Batista contou que ficou sem “um pingo d’água” nas torneiras desde a manhã de sexta-feira (2) até a madrugada de segunda-feira (5). Na casa dela há duas caixas d’água, de 500 litros cada uma, que suprem a necessidade da família, mas que foram insuficientes para tanto tempo sem abastecimento.

O jeito foi apelar para a boa vontade de parentes. O cunhado, que é vizinho, tem um poço e forneceu água para Kátia utilizar no banho e na cozinha. As roupas da família ela está lavando na casa da irmã que mora num bairro plano. “Estou economizando o máximo possível”, garantiu. Para ela o pior é ficar sem condições adequadas para cuidar da higiene de uma filha de 19 anos com necessidades especiais que utiliza fraldas. Além da moça, ela tem dois filhos, um de 13 e outro de quatro anos.

Moradora do Boa Vista há 20 anos, a dona de casa afirmou que não tem lembrança de uma estiagem “tão forte” no inverno. “No verão eu já estou acostumada. Faço ainda mais economia de água. Mas no inverno ficar sem água? Não lembro mesmo!”.

O bairro de Kátia está entre os quatro de Biguaçu afetados pelo abastecimento irregular, que são Boa Vista, Três Riachos, Fundos e Vendaval. Em São José o problema está concentrado em Areias, Forquilhinhas, Forquilhas, Potecas, Flor de Nápoles, Picadas do Sul, Sertão Imarui e Colônia Santana. Na Capital, os bairros com intermitência são Pantanal, Trindade, Santa Mônica, Córrego Grande, João Paulo e a região da Bacia do Itacorubi.

Zero de chuva

A previsão da Epagri/Ciram é de que não haverá chuvas significativas nos próximos dias em Santa Catarina. Será, em média, de 20 a 40 mm de chuva, o que é quase nada para que os rios voltem à vazão normal. De acordo com os meteorologistas, a falta de chuvas volumosas deve agravar a estiagem nos rios responsáveis pelo abastecimento de água, principalmente nas 14 estações hidrológicas que já estão em situação de alerta e emergência há duas semanas.

As estações em situação de emergência são: Saltinho, Chapadão do Lageado, São João Batista, São Martinho, Coronel Passos Maia, Barragem Concórdia e Camboriú, Rio Canoas. Em alerta estão: Canoinhas, Barragem Oeste, Barra do Chapecó Auxiliar, Tangará, Foz do Rio Claudino, Rio Negrinho.

Rio Vargem do Braço está muito abaixo do seu nível normal – Flávio Tin

Casan mantém intermitência

O rio Vargem do Braço continua muito abaixo do nível normal de vazão – o que provocou há 10 dias a redução da captação de água pela Casan em 30% desse manancial, que é responsável por parte do abastecimento da Grande Florianópolis. De acordo com a companhia, a situação não mudou nada nos últimos dias e o regime de intermitência no abastecimento continua rígido.

A Casan afirmou que mantém equipes técnicas trabalhando “para minimizar os transtornos de moradores de bairros mais altos ou das chamadas pontas de rede”. Enquanto os rios não voltarem ao nível de segurança hídrica, a população deve economizar o máximo não utilizando água em atividades como lavação de carros e calçadas.

Infraestrutura