Bala que matou Ágatha partiu de fuzil da PM, conclui Polícia Civil

Atualizado

A Polícia Civil confirmou nesta terça-feira (19) que a bala que matou Ágatha Félix, de 8 anos, foi disparada por um policial militar da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) da Fazendinha, complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro.

Segundo o inquérito, o PM tentava atingir dois suspeitos que estavam em uma moto. Mas o tiro ricocheteou em poste e atingiu a menina, no dia 20 de setembro.

Ágatha Félix foi morta no dia 20 de setembro – Foto: Reprodução/ND

O policial militar será indiciado por homicídio doloso – quando há intenção ou se assume o risco de matar. Segundo a investigação, há um “erro de execução por parte do PM” na ação que vitimou Ágatha.

Leia também:

Agora, a Polícia Civil deve enviar o relatório ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), que poderá formalizar a denúncia à Justiça. Para concluir o inquérito, a instituição ouviu depoimentos de testemunhas e policiais militares, além de realizar perícias na Kombi onde Ágatha estava, no projétil retirado da menina e na arma dos policiais.

Em nota, a Polícia Civil declarou que vai pedir o afastamento do policial da UPP e proibiu o contato dele com qualquer testemunha do caso, que não seja da Polícia Militar.

Mais conteúdo sobre

Polícia