Baleia rara é encontrada morta na praia da Guarda do Embaú, em Palhoça

Atualizado

Uma baleia rara foi encontrada encalhada na praia da Guarda do Embaú, no município de Palhoça, na manhã desta quinta-feira (13). A carcaça era de uma fêmea adulta de baleia-bicuda-de-cuvier (espécie Ziphius cavirostris), com 6,2 metros de comprimento.

De acordo com o Instituto, esse é o primeiro registro do espécime raro, de hábito oceânico, em Santa Catarina.

Equipe do Instituto Australis encontra baleia rara na praia da Guarda do Embaú – Foto: Instituto Australis/Divulgação/ND

Apesar de ser chamado de baleia, o animal faz parte do grupo dos golfinhos, que possuem dentes. Outra característica que o difere muito das outras espécies é que os machos adultos possuem apenas um único par de dentes que se projetam para frente e para fora da boca, na ponta da mandíbula inferior. 

Necropsia

O animal foi encontrado durante o monitoramento de praias pela equipe do Instituto Australis,  que acionou outras equipes do PMP-BS (Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos) para realização da necropsia. Após o exame, o esqueleto deve ser recolhido e preparado para exposição na sede do Instituto, e a carcaça enterrada na praia.

Entretanto, como a maré está alta, ainda não foi possível retirá-la da água. As equipes aguardam a confirmação da disponibilidade de uma máquina para remoção do animal. Caso isso não seja possível, a necropsia deve ser feita no local.

Fêmea de baleia-bicuda-de-cuvier (espécie Ziphius cavirostris), com 6,2 metros de comprimento foi encontrada na Guarda do Embaú – Foto: Instituto Australis/Divulgação/ND

Não há data estimada para o resultado do exame, o qual determina a causa da morte do animal. “Vai depender do estado em que ele estiver e se poderá ou não ser removido da praia. Se estiver mais fresco, podemos fazer um exame mais aprofundado”,  explica Karina Groch, diretora de pesquisa do Instituto Australis.

Leia também:

Participam da ação o Instituto Australis, a Associação R3 Animal e o Laboratório de Zoologia da Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), instituições executoras do PMP-BS.

O projeto é desenvolvido como condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama. 

O objetivo é avaliar possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos encontrados mortos. As atividades são realizadas desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, divididas em 15 trechos. O Instituto Australis monitora o Trecho 2 compreendido entre Imbituba e Governador Celso Ramos.

Achou um animal?

Se você encontrar um animal morto na praia, evite se aproximar dele pois pode haver risco de contaminação biológica. Informe o local do encalhe e outros dados úteis pelo telefone 0800 642 3341.

Em caso de animais vivos, informe o local pelo 0800 642 3341. Tire algumas fotos, pois isso ajuda a identificar a espécie e documentar o caso. Evite respirar o ar expirado pelos animais; não tente devolvê-lo para a água e não se aproxime da cauda em caso de baleia e golfinhos. São animais grandes em situação de debilidade física, que podem se tornar ariscos e causar ferimentos.

Meio Ambiente