Bancários de Joinville e região decidem aderir à greve nacional da categoria

Carlos Júnior/ND

Principal reivindicação da categoria é reajuste de 12,8%. Bancos oferecem 7,8%

Bancários de Joinville e região vão entrar em greve a partir desta quarta-feira (28). Em assembléia realizada ontem à noite representantes dos trabalhadores decidiram aderir à paralisação nacional que começou nesta terça-feira. As principais reivindicações da categoria são reajuste salarial de 12,8%, melhora no plano de cargos e salários, e reajuste em benefícios como participação de lucros e resultados, vale-refeição. A proposta de reajuste da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) é 7,8%.

A rede bancária de Joinville tem cerca de 1.300 funcionários , dos quais 54 compareceram à assembleia. No início da reunião, a indecisão ainda predominava entre os presentes, e a adesão foi confirmada somente no final da votação. Com 24 votos contra 10, os participantes da assembléia optaram pela paralisação.

Em Santa Catarina, a greve dos bancários  conta com adesão de cerca de 70% de dos funcionários de instituições públicas e 50% dos das instituições privadas, segundo o presidente do SEEB (Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários) Grande Florianópolis, Cássio Ricardo Marques. Para  a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, 4.191 agências e centros administrativos de bancos públicos e privados ficaram fechados ontem em 25 estados e no Distrito Federal.

“Nós acreditamos que só com a greve dos bancários vamos melhorar a proposta que estão nos oferecendo até agora”, defende José Ilton Belli, presidente do Sindicato dos Bancários de Joinville e Região.

A adesão em Joinville e região deve inicialmente se concentrar nas agências da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. Para Belli, isto deverá funcionar como pontapé para influenciar outros trabalhadores. “Várias pessoas, como também outros municípios estão aguardando uma posição de Joinville”, explica.

Mais conteúdo sobre

Cidade