Praça da Dinamarca expõe bancos de concreto do bairro Kobrasol, em São José

Do bairro Kobrasol, diretamente para Copenhague, na Dinamarca. Essa é a estranha trajetória de dois bancos de concreto feitos, aparentemente, para uma das praças de São José. O estudante Franco Bertoncini Andrade, que atualmente mora na cidade, passeava de bicicleta pela praça Superkilen, quando, entre os 60 países representados no local, encontrou os objetos levados do Brasil.

O catarinense está no país para fazer um semestre de Motion Graphics, curso oferecido pelo Ministério da Educação da Dinamarca. Franco já é formado em Design Gráfico. 

“Meus ex-colegas de trabalho quando viram o vídeo, não deu outra, falaram que era montagem, que eu estava aplicando o que estava aprendendo no curso. Só depois da repercussão e com as provas em sites, eles acreditaram”, afirmou o jovem em entrevista por e-mail. 

Divulgação

Divulgação

Entre objetos estranhos de 60 países, estavam os bancos brasileiros

O parque urbano foi projetado para refletir o lado multicultural do noroeste da cidade dinamarquesa. Nele ainda estão lixeiras e bicicletários da Noruega, mesas de ping-pong da Espanha e parques infantis do Japão. 

O encontro dos bancos da loja Passo Firme Calçados, que antigamente ficava localizada na avenida central do bairro Kobrasol, foi surpresa para muitos catarinenses. O vídeo que Franco postou no dia 12 de setembro tem cerca de 279 compartilhamentos e quase 400 curtidas.

“Achei interessante ter essa praça, mas ainda o por que de ser um banco do Kobrasol, em São José, não entendi. Poderiam ter colocado um banco do Rio de Janeiro, Copacabana,de São Paulo…mas do Kobrasol?! Isso é um mistério”, encerrou o estudante, tão impressionado quanto nós.

Geral