Bebê morre por sarampo mesmo após tomar duas doses da vacina

Uma bebê de 1 ano e 10 meses que morreu em decorrência do sarampo na cidade de Limeira, no interior de São Paulo, tinha tomado as duas doses da vacina contra a doença, preconizada pelo Ministério da Saúde, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Limeira. As informações são da repórter Deborah Giannini, do Portal R7.

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O secretário de Saúde do município, Vitor Santos, afirmou, por meio de nota, se tratar de um um caso atípico.

O pediatra Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) ressalta que o caso é uma exceção.

“A proteção com duas doses de vacina é de 98%, mas, mesmo com essas duas doses, a doença pode se manifestar, geralmente de forma mais leve”, explica.

O especialista afirma que quando a doença se manifesta, a morte ocorre por complicações respiratórias.

“Uma predisposição à bronquite e asma pode desencadear esse processo. É preciso que essa morte seja investigada para verificar se havia alguma comorbidade”, diz.

Segundo ele, é possível se prevenir contra o sarampo, primeiramente confiando na vacina, e, além disso, em época de surto como a atual, evitar lugares fechados e aglomerados com crianças.

“Lavar as mãos com frequência e manter uma alimentação saudável també são recomendados”, afirma.

A vacina

Esta é a primeira morte pela doença registrada no interior do Estado. As crianças são as principais vítimas do sarampo, de acordo com o Ministério da Saúde.

As doses devem ser ministradas aos 12 e 15 meses. Devido ao atual surto da doença, também está sendo aplicada a chamada dose zero, entre os 6 e 11 meses de vida.

“Há um porcentual pequeno da população, da ordem de 5%, que não desenvolvem a imunidade após a vacinação. Por esse motivo, é importante manter alto o índice de cobertura vacinal como forma de impedir a circulação do vírus, e assim, proteger essas pessoas com baixa imunidade”, frisou Alexandre Ferrari, diretor da Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Limeira, por meio de nota.

A morte da menina ocorreu no dia 26 de agosto, mas a causa só foi confirmada nesta quarta-feira (6) pelo Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo. O atestado de óbito trazia morte por broncopneumonia.

A bebê havia sido internada com febre, tosse e chiado no peito. Segundo a secretaria, no mesmo dia houve agravamento do quadro de saúde, ocasionando a morte.

Neste mês, entre os dias 18 e 30 será realizada a segunda fase da campanha nacional de vacinação contra o sarampo, voltada a jovens de 20 a 29 anos.

“Para essa faixa etária, a recomendação é ter, pelo menos, duas doses da vacina”, finalizou.

Mais conteúdo sobre

Saúde