Bispos querem missionário italiano como mártir da Amazônia

Ezequiel Ramin chegou ao Brasil em 1980 e atuou em Cacoal (RO) na defesa de indígenas e de posseiros

Em um texto enviado ao Papa Francisco, 200 dos 480 bispos brasileiros pedem que o missionário italiano comboniano Ezequiel Ramin seja reconhecido como mártir da Amazônia, no sínodo extraordinário de outubro. O sacerdote italiano chegou ao País em 1980 e atuou em Cacoal (RO) na defesa de indígenas e de posseiros.

Fiéis durante procissão ao missionário italiano comboniano Ezequiel Ramin  – Vatican News/Divulgação/NDFiéis durante procissão ao missionário italiano comboniano Ezequiel Ramin  – Vatican News/Divulgação/ND

Conforme a agência de notícias vaticana, os bispos manifestaram seu apoio à causa de beatificação do religioso, pelo testemunho de apoio aos povos marginalizados, no âmbito de ação das comunidades eclesiais de base. De acordo com a postulação feita em Roma, o religioso foi morto por pistoleiros a mando de fazendeiros no dia 24 de julho de 1985. Houve dois processos e um homem foi condenado, mas fugiu da Justiça.

Leia também:

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

+

Notícias