Blogueira vítima de estupro questiona resultado de laudo toxicológico pela rede social

Atualizado

A blogueira de moda Mariana Ferrer, 22 anos, que denunciou ter sido vítima de estupro em um beach club em Jurerê Internacional, no Norte da Ilha, divulgou mais dois laudos feitos pelo Instituto Geral de Perícias. Os exames foram feitos no dia seguinte ao fato, em 16 de dezembro do ano passado. Desta vez, a jovem questiona o resultado do laudo toxicológico que deu negativo para todas as substâncias entorpecentes, inclusive alcoólicas.

Mariana Ferrer – Instagram/Reprodução

“Como dá nada para dosagem alcoólica e toxicológica? Cadê a droga? Cadê toda a bebida que todos alegam em depoimento que eu bebi? Eu informei que bebi um Gin, que consta no meu cartão (de consumo) que forneci à delegacia”, questiona a jovem.

Na publicação feita nesta quinta-feira (23), Mariana divulga mais detalhes do que lembra que ocorreu naquela noite de sábado (15 de dezembro de 2018) no Cafe de La Musique. Ela conta que foi puxada por uma “amiga” – a qual se refere entre aspas” – para fazer umas fotos em um cômodo conhecido por ‘bangalô’.

Publicação do exame toxicológico. – Reprodução/Instagram/ND

A partir de então, o que tem em sua memória, segundo o relato, são lembranças vagas (flashes). Mariana diz que se recorda quando desceu a escada escura do lugar que chama de “matadouro” e seria um ambiente reservado – onde teria ocorrido o crime. Ela também afirma que não foi acolhida pelas pessoas que a acompanhavam na festa.

Parte da descrição feita por Mariana – Reprodução/Instagram/ND

“Eu só queria sair dali e entender o que tinha acontecido, eu não tinha noção da gravidade, de nada. E eu estava com uma sensação estranha por dentro, diferente da de estar bêbada, mas não estava consciente ao ponto de pensar nos meus atos. Se estivesse com discernimento é claro que eu iria ligar direto para a minha mãe e ir embora dali”, diz trecho do relato.

Imagens de monitoramento desta escadaria foram disponibilizadas pela casa à polícia e vazadas nas redes sociais. Nelas, Mariana aparece subindo com um rapaz que segura um copo de bebida em uma das mãos. Pouco tempo depois, ela volta sozinha e cambaleando. O rapaz desce a escada na sequência.

Momento em que jovem desce escadaria de local secreto em Beach Club – Reprodução/Vídeo/ND

Outros exames divulgados pela blogueira constam positivo para a ruptura de hímen e presença de esperma em roupa íntima. O vestido com mancha de sangue também foi entregue ao IGP.

Entenda o caso 

A jovem começou a série de postagens em seu perfil no Instagram na noite de segunda-feira (20), quando divulgou em detalhes a violência sofrida e questionou o andamento das investigações da Polícia Civil que completaram cinco meses sem um desfecho. Desde o início das postagens, a blogueira alega que o inquérito estaria sendo conduzido no sentido de “proteger o agressor e o estabelecimento” por se tratarem de pessoas influentes.

Na tarde de terça-feira (21), a Polícia Civil convocou uma coletiva de imprensa para dar explicações sobre o andamento das investigações. A delegada Eliane Chaves, diretora de Polícia da Grande Florianópolis, negou que tenha havido negligência por parte da polícia como denunciou a vítima e justificou que o atraso do inquérito se deu por conta do exame toxicológico.

Coletiva de imprensa ocorreu na sede da Secretaria de Segurança Pública – Polícia Civil/Divulgação/ND

Segundo o Instituto Geral de Perícias, a análise só foi feito três meses após a coleta do material porque o órgão ficou “sem insumos reagentes necessários para o trabalho”.

Na coletiva, a polícia não deu detalhes dos exames e nem divulgou informações que pudessem identificar o caminho da investigação. A delegada Caroline Pedreira, que atua na Dpcami (Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso) e é a responsável pelo inquérito, disse que ainda procura entender o que ocorreu naquela noite.

“A investigação deságua em um suspeito. Mas existem outras linhas de investigação. É um inquérito de certa complexidade. Apesar do interesse na elucidação do fato, não podemos ser levianos. O crime de estupro causa um estigma muito grande, então, apesar de eu como mulher me sensibilizar com toda vítima de crime sexual, tenho que atuar de forma técnica”, respondeu Caroline na ocasião.

Na quarta-feira, Mariana publicou fotos do exame de corpo de delito feito no dia seguinte ao fato. Nele, há a confirmação de que o ato havia ocorrido recentemente.

O suspeito que aparece nas imagens da escadaria se apresentou à polícia para prestar esclarecimentos nesta quinta-feira (23). Os detalhes não foram revelados pela polícia por se tratar de crime sexual e com a premissa de que a vítima deve ser preservada por lei – ainda que ela tenha escolhido divulgar o caso por conta própria.

Suspeito aparece nas imagens descendo as escadas pouco depois de Mariana – Reprodução

Nesta quinta, Mariana fez a terceira postagem questionando o resultado do exame toxicológico. A jovem afirma que foi dopada naquela noite e que não conhecia o rapaz que subiu com ela no ambiente privado. “Tive a minha virgindade roubada junto com meus sonhos”, relatou pela rede social.

A mãe da Mariana também se manifestou por meio de áudio. Luciane Ferrer faz duras críticas ao Instituto Geral de Perícias. “Temos inclusive o laudo que consta que a Mariana tinha acabado de perder a virgindade. A roupa dela está aí pra todo mundo ver, como está no IML: toda ensanguentada e com o esperma do monstro. (…) Todo mundo fala que ela estava bêbada. Eu vi a minha filha dopada. O médico viu ela dopada, o que claramente é demonstrado nas gravações com a voz dela. Na roupa dela, consta esperma e o sangue na calcinha. O IGP, a pessoa que fez a perícia, está claramente comprada, não tenho dúvida disso.”

A investigação segue em sigilo por conta do tipo de crime. Outras testemunhas ainda devem ser ouvidas pela polícia. A Justiça estendeu o prazo de conclusão do inquérito por mais 90 dias a contar a partir de 13 de maio.

O Cafe de La Musique se manifestou sobre o caso. A casa informou que está colaborando com a investigação e que não é conivente com o crime. Também divulgou, por meio de nota, que disponibilizou as imagens das câmeras de monitoramento e as comandas de consumo dos possíveis envolvidos.

Leia também

Blogueira diz que foi dopada e estuprada em beach club de Florianópolis

Polícia justifica atraso em inquérito sobre denúncia de estupro em beach club

Blogueira vítima de estupro em beach club divulga resultado de laudo pericial 

Exames de jovem só foram analisados três meses depois

Suspeito de estuprar blogueira em beach club presta depoimento

Mais conteúdo sobre

Polícia