Bolsonaro diz que ‘só prestigia manifestações’ e alfineta Moro

Atualizado

O presidente Jair Bolsonaro criticou, nesta segunda-feira (1), o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro e afirmou a apoiadores que não coordena e “só prestigia” as manifestações favoráveis ao governo, como a do último domingo.

Presidente Jair Bolsonaro foi à manifestação pró-governo deste domingo – Foto: Marcos Corrêa/PR

“Eu não coordeno nada, não sou dono de grupo, não participo de nada. Só vou prestigiar vocês que estão me apoiando. Pessoal do movimento limpo, decente, pela democracia, pela lei e pela ordem. Eu apenas compareço. Não conheço praticamente ninguém desses grupos”, afirmou em conversa com apoiadores. “Acho que já que marcaram para domingo, deixem eles no domingo lá [em referência a outro ato]”, completou.

Leia também:

Agora desafeto, Moro também foi alvo de Bolsonaro, que disse que o ex-ministro estava “perfeitamente alinhado com outra ideologia que não era a nossa”.

O presidente afirmou que o novo ministro da Justiça, André Mendonça, revogou uma portaria assinada por Moro e pelo então ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que permitia a prisão de civis que desrespeitassem as normas de isolamento social. Segundo o presidente, Moro teria dificultado a posse e o porte de armas aos cidadãos comuns, tema defendido pelo presidente.

“Essa IN é da Polícia Federal, mas é por determinação do Moro. É uma instrução normativa que ignorou decretos meus, ignorou lei, para dificultar a posse e porte de arma de fogo para as pessoas de bem. Assim como essa IN, tem uma portaria também que o ministro novo revogou, que, apesar de não ter força de lei, ela orientava a prisão de civis. Por isso que naquela reunião secreta, de forma covarde, ele [Moro] ficou calado. E ele queria uma portaria ainda depois que multasse quem estivesse na rua. Perfeitamente alinhado com outra ideologia que não era a nossa. Graças a Deus, ficamos livres disso”, disse o presidente.

O assunto armas veio à tona da conversa com os apoiadores depois que um deles, que é cadeirante, agradeceu pela derrubada da instrução normativa.

“Uma arma legal não é para cometer crime, é para evitar crime”, afirmou Bolsonaro ao lado do cadeirante, que disse que era comerciante e afirmou ter sido impossibilitado de se defender ao ser alvejado por um disparo.

Política