Bombeiros confirmam um morto e nove feridos em queda de prédio em Fortaleza

Atualizado

O Corpo de Bombeiros confirmou, até as 15h40 desta terça-feira (15), uma morte e nove feridos no desabamento do prédio em Fortaleza, no Ceará. O edifício residencial de sete andares desabou nesta manhã. As informações são da repórter Fabíola Perez, do Portal R7.

Prédio residencial desabou em Fortaleza na manhã desta terça-feira – Foto: KLEBER GONÇALVES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Por volta de 10h30, o edifício Andrea ruiu e atingiu um caminhão e uma casa ao lado da edificação. O desabamento ocorreu no cruzamento da rua Tibúrcio Cavalcante com a rua Tomás Acioli, entre os bairros de Dionísio Torres e Joaquim Távora, área nobre da capital cearense.

Leia também

A área também foi isolada por risco de explosão. Segundo o Corpo de Bombeiros, há a possibilidade ainda não confirmada de vazamento de gás que teria levado à queda do prédio.

Os Bombeiros informaram, em boletim por volta das 14h, que dez pessoas estão desaparecidas. Destas, duas estão em operação de resgate no local do desabamento. O total de vítimas, portanto, é de 18.

As vítimas

Duas vítimas estão sendo atendidas no hospital Instituto Doutor José Frota, referência em traumas na capital cearense. São elas: Cleide Maria da Cruz Carvalho, de 60 anos, e Maria Antônia Peixoto, de 72 anos.

Segundo o hospital, Maria Peixoto se encontra em estado mais grave e passa por atendimento. Já a Cleide Maria está consciente e apresenta ferimentos mais leves.

A vítima fatal ainda não teve sua identidade revelada.

A Defesa Civil do município também está no local reforçando as buscas. Pessoas feridas também serão encaminhadas ao Instituto José Frota, unidade de referência de pronto atendimento.

Após o desabamento, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), cancelou a agenda, inclusive uma viagem a Brasília, para retornar à capital Fortaleza. O petista informou que estaria “retornando imediatamente para acompanhar a operação de resgate”.

Santana determinou “o uso de toda a força operacional dos Bombeiros, Samu, Polícia Militar, Defesa Civil” e todos os demais órgãos estaduais que possam auxiliar no socorro às vítimas. Pediu, também, “além das ações efetivas das forças de segurança, façamos uma corrente de oração para que as vidas sejam salvas”.

Mais conteúdo sobre

Brasil