BR-282, em Palhoça: Motoristas reclamam e tentam driblar a impaciência no trânsito

Atualizado

O encontro de duas grandes rodovias deveria ter segurança e organização. Mas é tudo o que falta no trecho em que a BR-282 se encontra com a BR-101, em Palhoça. No entroncamento da 282, uma rotatória simples e confusa, do lado da 101 todo o volume de veículos da marginal e dos bairros de Palhoça disputam espaço.

Quem vem de Santo Amaro da Imperatriz (na BR-282) em direção à rodovia 101 precisa acessar uma rotatória. O mesmo caminho deve ser feito por quem quiser acessar o Centro de Palhoça pela rua Edeling Schutz. O tráfego de veículos é intenso. São caminhões pesados, carros de passeio, ônibus, motocicletas e bicicletas que disputam a vez.

BR-282 vista a partir da rotatória, à direita. À esquerda, via de acesso à Palhoça. – Foto: Gabriel Lain/ND

Pressa e impaciência

É possível se acostumar com o som mal-educado de buzinas, o avançar ameaçador dos carros e o alto nível de estresse? “Acostumar, não. Mas a gente tem que aprender a conviver, ou então enlouquece.”, diz a motorista Luíza, enquanto espera a vez para acessar a 101. “Eu ouço aulas de espanhol no carro. Queria saber meditar, aqui tem tempo e seria bom”, comenta.

Meditar diante de tanto confusão e pressa não é a vontade da motorista Ana, ficar tranquila já aliviaria a tensão. “Eu fico muito tensa, sabe? Às vezes sinto vontade de gritar”. Ela mora em Palhoça e passa pelo trevo, pelo menos, duas vezes por dia. Conta que uma vez bateu o carro. “Estava com pressa”, justifica.

O pai de Airton Junior já sofreu dois acidentes no trevo. “Ele estava de moto e o carro pegou ele de lado, na mão contrária”, conta. Atualmente Junior não precisa mais acessar as duas rodovias com a frequência de antes e isso é um alívio. “Era muito cansativo enfrentar esse trânsito. Acho que já passou da hora de resolver esse problema”, comenta.

Marginal BR-101, tráfego da BR-282 vem pelo túnel – Foto: Gabriel Lain/ND

Desrespeito com a população

Para o prefeito de Palhoça, Camilo Martins, a rotatória da BR-282 “é um absurdo, demonstra total desrespeito com a população de Palhoça”. Ele afirma que tanto moradores da cidade como os da região serrana sofrem para acessar e BR-101 e outras vias. “Uma simples obra resolveria aqui ali (a rotatória)”, acredita Martins.

Segundo o prefeito, há anos ele pede um solução ao governo federal – responsável pelas rodovias – sem ter obtido nenhuma resposta ao caos que se instala desde o nascer do sol e perdura até tarde da noite durante a temporada.

Possível solução

A concessão da rodovia BR-101 pertence à Arteris Litoral Sul que, em nota, afirma que foi elaborada uma proposta com sugestão de novas obras para eixo viário de interseção entre a BR-282 e a BR-101, em Palhoça.

Essa obra ampliará a capacidade das vias marginais e rotatória. Também, no projeto, está prevista a implantação de sistema binário de circulação nas ruas laterais.

No entanto, de acordo com a nota enviada pela Arteris, as obras não estão previstas no contrato de concessão e seguem em avaliação conjunta de orçamento entre concessionária e ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestres). Dessa forma, a execução pela Litoral Sul depende de eventual reequilíbrio contratual.

Medida mitigadora

Segundo a concessionária, existe a possibilidade de execução dessas melhorias por parte de novos empreendimentos comerciais com previsão de instalação naquela região. “Assim, o investimento seria viabilizado como medida mitigadora por conta da atuação dos dois novos estabelecimentos como polos geradores de tráfego”, conclui.

Leia também:

BR-282 tem 680 quilômetros de riscos em Santa Catarina

Amin se reúne com Dnit e discute construção de terceira faixa na BR-282

Mais conteúdo sobre

Trânsito