Carro autônomo não ‘aposentará’ motoristas, diz app de transporte

Apesar de trabalhar no desenvolvimento de carros autônomos desde 2015 e pretender integrá-los a seu serviço de transporte, o Uber não funcionará sem motoristas parceiros “nas próximas décadas”, garantiu ontem o diretor de tecnologias avançadas da companhia, Eric Meyhofer. Apenas no Brasil, 600 mil pessoas trabalham como motoristas cadastrados na empresa.

Aplicativo de transporte estudo alternativas para suprir a falta de motoristas parceiros – Marco Santiago,ND

Leia também

Segundo o executivo, a oferta de mão de obra hoje é baixa comparada com a demanda e tem limitado o crescimento do Uber. Daí, a necessidade de incorporar o carro autônomo. “Vemos esse veículo como um adicional”, destacou. A ideia, segundo Meyhofer, é que os carros autônomos circulem em áreas de acesso “mais fácil”, deixando as rotas mais difíceis e que pagam mais aos trabalhadores.

“Será uma rede híbrida, com parceiros e veículos autônomos por muito tempo. Talvez para sempre. Os motoristas parceiros são um ativo gigante para nós”, disse Meyhofer, em evento da empresa em Washington (EUA).

Empresa estuda serviço com carro autônomo

Ontem, a empresa apresentou um novo protótipo do carro autônomo desenvolvido em parceria com a Volvo, com quem trabalha desde setembro de 2016. É o terceiro veículo criado pelas duas companhias e o primeiro que dispensa integralmente o motorista.

O carro tem sistemas de freio e direção projetados para serem controlados por computador. Se algum equipamento falhar, um sistema também eletrônico para o automóvel imediatamente.

Segundo Meyhofer, o acidente ocorrido em março de 2018, no Arizona (EUA), quando um carro autônomo da empresa matou uma pedestre enquanto circulava, tem influenciado o desenvolvimento do veículo. “Se as pessoas não acreditarem que esse veículo é seguro, não entrarão nele. O que construímos é o veículo mais seguro que podemos ter.” O Uber não tem previsão de quando o carro autônomo será oferecido em seu aplicativo.

Uber desiste de serviço de transporte aéreo

O grande movimento de helicópteros no espaço aéreo de São Paulo foi um dos motivos que levaram o Uber a desistir de testar na cidade o “carro voador” em 2020. Na terça-feira (12), a empresa anunciou que escolheu Melbourne, na Austrália, como primeira cidade fora dos EUA. São Paulo estava na lista das finalistas ao lado de Paris, Mumbai e Tóquio, além de Melbourne. Nos Estados Unidos, Dallas e Los Angeles receberão testes.

Em 2016, o Uber chegou a oferecer um serviço de viagens por helicóptero na cidade, mas o projeto durou apenas um mês.

Mais conteúdo sobre

Tecnologia