Cartórios registram 114 mortes suspeitas ou confirmadas por Covid-19 em Santa Catarina

Atualizado

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, os cartórios de Santa Catarina registram 114 mortes por suspeita ou confirmação da Covid-19. Os dados estão disponíveis no Portal da Transparência do Registro Civil, que se baseia em informações de declarações de óbito.

Registro Civil contabiliza 112 mortes suspeitas ou confirmadas de Covid-19 em SC- Foto: Foto: Arquivo/Anderson Coelho/ND

Até a noite de quarta-feira (20) a Secretaria de Estado da Saúde havia registrado 94 mortes. O número, segundo a secretaria, não considera casos suspeitos.

A declaração de óbito, usada como base de dados para o Portal da Transparência do Registro Civil, é emitida por médicos ainda no hospital e é indispensável para a elaboração da certidão. Em casos em que a morte acontece antes do resultado dos testes, a notificação pode ser feita como “caso suspeito”.

A declaração de óbito pode ser ratificada após a emissão, mudando a causa da morte se necessário. Com a pandemia, a certidão de óbito, que tinha até 15 dias para ser emitida, teve prazo ampliado para 30 dias. Tal fato ajuda na precisão de dados sobre o real número de vítimas da Covid-19.

Registros de mortes

No Portal do Registro Civil, a primeira morte suspeita ou confirmada em decorrência da Covid-19 foi registrada no dia 23 de março. A primeira morte confirmada pelo Estado ocorreu três dias depois, em 25 de março.

A reportagem questionou o órgão responsável pelos registros civis para confirmar se o caso do dia 23 foi de uma morte confirmada, mas não obteve resposta. O órgão também não informou se a lista é atualizada após o resultado dos exames dos casos suspeitos.

A reportagem do nd+ comparou sete momentos de “pico” de óbitos no portal do Registro Civil. Em todos os momentos verificados, o número total de casos divulgados pelo órgão em relação ao Estado era maior.

No dia 2 de abril, por exemplo, os cartórios catarinenses tiveram pela primeira vez o registro de quatro mortes pela doença respiratória no mesmo dia. Naquela data, eram contabilizadas 13 mortes pelo portal. Já o Estado anunciava cinco óbitos.

Ainda em abril, no dia 24, um novo “pico”, agora com cinco mortes em menos de 24 horas. Eram 55 as vítimas com suspeita ou confirmação da Covid-19. O número divulgado pelo Estado era bem menor, com 42 óbitos.

Foram verificados também picos nos dias 11 e 17 de maio, com quatro e cinco mortes respectivamente. A última data levantada é dessa quarta-feira (20), quando um óbito foi notificado.

O Estado teve um grande pico de mortes na última semana, notificado pela própria Secretaria de Estado da Saúde. Entre os dias 18 e 19 deste mês, foram divulgadas seis mortes no mesmo dia.

Número de óbitos suspeitos ou confirmados de Covid-19 – Foto: Reprodução/Registro Civil

Um das mortes, a de Adalto Álvaro Vieira, 47 anos, foi divulgada com uma semana de atraso. Ele era morador de Urussanga, no Sul do Estado.

A última atualização do Portal do Registro Civil contabiliza 112 óbitos, com uma morte registrada até a tarde desta quinta-feira (21).

Estado diz testar casos suspeitos

Questionado sobre a discrepância entre o número de óbitos dos cartórios e os dados próprios, a Secretaria de Estado da Saúde informou que isso acontece porque o portal nacional inclui também casos suspeitos de Covid-19.

A secretaria disse ainda que todos os óbitos cuja identificação na declaração de óbito leve à suspeita de coronavírus serão “testados e investigados”. Só após a confirmação é que eles passam a ser incluídos nos boletins diários do governo do Estado.

A reportagem também questionou o porquê da demora na inclusão das mortes no boletim diário, quando os testes no Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública), segundo divulgação do próprio órgão, ficam prontos em até 48h. O atraso acontece também em confirmações de prefeituras, que demoram a entrar no balanço estadual.

De acordo com a secretaria, todos os óbitos seguem o fluxo determinado pela nota informativa nº. 002/2020. Nela estão orientações para o preenchimento da declaração de óbito em casos de Covid-19. O texto estabelece o prazo de 24h para que os dados sejam inseridos no Sistema de Informação em Saúde.

A reportagem questionou o caso de Adalto Álvaro Vieira, que só teve o óbito computado sete dias após a data de sua morte, mas não obteve respostas. Em relação a casos suspeitos, o Portal da Transparência do Registro Civil não informou após o resultado negativo as mortes deixam de ser computadas.

Saúde