Casas de cães comunitários são queimadas em Ingleses, no Norte da Ilha

Duas casinhas utilizadas para abrigar temporariamente cães abandonados no bairro Ingleses, no Norte da Ilha, foram queimadas na madrugada desta segunda-feira (6). Além disso, dois cães comunitários foram levados e depois soltos no bairro Cachoeira do Bom Jesus, também na região norte da cidade, na última terça-feira (31/07).

Casinhas customizadas para abrigar cães abandonadas foram queimadas no bairro Ingleses - Alice Moysin/Divulgação
Casinhas customizadas para abrigar cães abandonadas foram queimadas no bairro Ingleses – Alice Moisyn/Divulgação

Segundo a moradora Alice Moisyn, que faz o trabalho de customização (colocação de telhado de fibrocimento, pintura, barra-vento, decks de madeira para a base) desses abrigos, os cachorros Toffy e Caffe foram recuperados porque um deles ainda estava com a coleira, onde seu número de telefone estava registrado. “Quem o encontrou foi um motorista de ônibus que faz a linha da rua das Gaivotas e conhece meu trabalho. Ele viu meu telefone na coleira do cachorro e telefonou para avisar”, explica.

Outro morador do bairro Cachoeira teria visto um sedã preto parar e abandonar os dois animais e mais duas cachorrinhas no local, segundo Alice. “Infelizmente, as imagens das câmeras que apontam para a rua das Gaivotas não mostram o autor levando os cachorros porque ele deve ter pego os animais em local distante das casinhas”, afirma.

Segundo a cuidadora dos dois cães, Camila do Amaral, “Caffe estava todo machucado, deve ter sido pego à força”. Depois do ocorrido, os animais foram retirados do local e levados para a casa de Camila, com receio de que pudessem ser envenenados. Toffy foi castrado na sexta-feira (3) e está em uma hospedagem, enquanto Caffe permanece com Camila.

“No sábado (4) estive na rua das Gaivotas recolhendo os cobertores das casinhas para lavar, e ontem (segunda) recebi a notícia de que haviam queimado as casas dos cachorros”, conta Alice. “Que sorte que tiramos os animais de lá, senão eles poderiam ter sido queimados também”.

Alice e outros protetores de animais de rua se reuniram na noite desta segunda, no bairro Ingleses, em protesto contra os atos de destruição das casinhas e o rapto dos animais.

A iniciativa de cuidados feita na comunidade está amparada na lei municipal do cão comunitário (PLC nº 1.619/2017), a qual permite alimentar, castrar e dar moradia a cães abandonados até que se encontre um lar para eles. A prática de abandono, abuso, maus-tratos e o ato de ferir ou mutilar animais é considerada crime e está  previsto na lei 9.605/1998. A pena inclui detenção de três meses a um ano, além de multa, e é aumentada se ocorrer a morte do animal.

Cidade