Caso Gabriella Custódio: MPSC se manifesta favorável a permanência de Leonardo na prisão

Atualizado

O MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) se manifestou contrário ao pedido de liberdade apresentado pelos advogados de Leonardo Nathan Chaves Martins, suspeito de matar a namorada, Gabriella Custódio Silva, com um tiro no peito.

Leonardo Natan Chaves Matias – Jonathan Rocha/RICTV

Segundo a promotoria, as provas levantadas pela investigação apontam indícios suficientes sobre a autoria do homicídio. Além disso, a prisão preventiva está prevista na lei, por se tratar de um crime com pena superior a quatro anos de detenção.

O MP ainda cita o fato de Leonardo ter confirmado, em depoimento, que foi o autor do disparo que matou a vítima, mesmo com a afirmação de que o tiro foi acidental. Segundo o delegado Eliezer Bertinotti, a arma estava apontada para a vítima no momento do crime, fato que anula a alegação.

Leonardo foi encaminhado ao presídio após se entregar, em Joinville – RICTV/Reprodução

Outro argumento usado pela promotoria, é “a necessidade de manter a ordem pública”, por conta das inúmeras manifestações populares que pedem por uma rápida resposta da justiça. O parecer será encaminhado para que o juiz decida se Leonardo continua detido no Presídio de Joinville.

Segundo a defesa, caso o pedido de liberdade seja negado, a alternativa será tentar um Habeas Corpus no Tribunal de Justiça do Estado.

Gabriella e Leonardo estavam juntos há seis meses – Facebook

Relembre o caso

O crime aconteceu no dia 23 de julho, no distrito de Pirabeiraba em Joinville. Segundo Leonardo, o tiro teria sido acidental, enquanto ele mostrava a arma para a namorada.

Com o fim do inquérito, ele foi indiciado pelo crime de feminicídio. O pai do suspeito, que é o dono da pistola, também vai responder pelo crime de posse ilegal de arma.

Leia também:

Justiça