Caso Raíssa: menina foi estrangulada e pode ter sofrido violência sexual

Atualizado

A menina Raíssa Eloá Caparelli foi morta por asfixia e pode ter sofrido abuso sexual, de acordo com o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo. Porém, essa versão ainda depende do laudo do IML – Instituto Médico Legal – para ser oficializada.

Raíssa caminha de mãos dadas com o adolescente – Reprodução câmera

O caso Raíssa, de 9 anos, ainda está sob investigação. A menina foi encontrada amarrada em uma árvore, depois de desaparecer de uma festa numa escola, na tarde do último domingo. Ela estava com a mãe, que a deixou por alguns momentos a fim de pegar um saco de pipocas. Quando retornou, não a viu mais.

Câmera de segurança filmou Raíssa com um menino, que seria seu colega, caminhando por uma rua, próximo ao local da festa. O corpo da menina foi encontrado amarrado a uma árvore, com sinais de violência.

O adolescente foi identificado e levado à delegacia para depor. Ele teria confessado o crime, mas há suspeita de um terceiro envolvido. A Justiça de São Paulo expediu ordem para a internação provisória do menino. Independentemente de haver um outro envolvido, o adolescente é tratado como principal suspeito.

O enterro da menina Raíssa ocorreu sob forte comoção nesta terça-feira.

Mais conteúdo sobre

Polícia