Casos de afogamento e torção acendem alerta para turistas na Grande Florianópolis

Atualizado

No fim de semana, três situações diferentes, mas comuns para essa época do ano, precisaram do apoio das esquipes do Arcanjo-01, o helicóptero do Corpo de Bombeiros Militar, na região da Grande Florianópolis. As ocorrências foram registradas entre sábado (16) e domingo (7) nas cidades de Palhoça, Garopaba e na Capital.

Primeiro caso ocorreu por volta na tarde (16), na Lagoinha do Leste – Foto: Arcanjo-01/Divulgação

O primeiro resgate ocorreu na tarde de sábado, quando uma turista do Rio Grande do Sul torceu o tornozelo ao realizar uma trilha na Lagoinha do Leste. Por conta do mar agitado e a dificuldade de acesso por embarcação, a equipe do Arcanjo-01 foi acionada para o resgate da vítima, que foi levada ao Hospital Florianópolis em estado estável.

De acordo com o Comandante do Arcanjo-01, Diogo Losso, esse tipo de lesão é comum em pessoas que realizam trilhas na região. Segundo ele, a maioria dos turistas que visitam o local não vão preparados adequadamente para realizar os passeios, o que acaba causando torções tanto no tornozelo quanto no joelho.

“Com a chegada da temporada é bem comum que esse tipo de acidente aconteça nas trilhas em costões. Um dos motivos é que os turistas não tem experiência e acabam realizando os trajetos sem roupas ou calçados adequados para o trecho”, explica.

Losso ainda afirma que a trilha é um local íngreme, o que oferece riscos principalmente em dias de chuva, onde o trecho fica úmido e escorregadio. Além disso, a alimentação também é um cuidado importante para quem quer se aventurar na região.

“Principalmente em dias de muito calor, o turista precisa beber muita água e estar bem alimentado, até para que ele não tenha algum tipo de insolação ou desidratação, o que pode causar desmaios durante o percurso”, alerta o comandante.

Alergias também são motivos de alerta para o verão

Outro fator que também é sinal de alerta para essa época do ano são as alergias. Com o aumento nas temperaturas, a presença de insetos, como mosquitos e formigas, nas regiões do litoral catarinense pode desencadear crises alérgicas por conta da picada.

No sábado, por exemplo, um homem foi mordido por formigas no Vale do Utopia, em Palhoça. Apesar do susto, segundo os Bombeiros Militares, a vítima teve apenas inchaço no local das picadas e queda de pressão.

Porém, em casos mais graves, o paciente pode desencadear um choque anafilático – reação alérgica severa, que se manifesta com a obstrução das vias áreas e impossibilita que a pessoa respire. Nessa situação, é necessário que paciente seja medicado contra a alergia.

“Caso as pessoas tenham algum tipo de alergia é importante que elas tomem cuidados com insetos em geral. Apesar de ter cura, em muitos casos dependendo da picada, o choque pode levar a pessoa a morte”, conta Losso.

Vítima foi resgatada após se afogar na Praia do Rosa – Foto: Arcanjo-03/Divulgação

Equipe reforçada para evitar afogamentos

Os afogamentos em áreas de mar agitado continuam sendo uma das principais ocorrências atendidas pelos bombeiros nessa época do ano. Na manhã deste domingo (17) um homem foi resgatado após se afogar na Praia do Rosa, em Garopaba.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a vítima foi resgatada por um guarda-vidas, que com a ajuda das equipes do Arcanjo-01, deram atendimento ao homem e o encaminharam ao Hospital de Imbituba. As causas do afogamento não foram divulgadas.

Leia também:

Por conta do aumento no número de banhistas, a equipe de guarda-vidas na região de Florianópolis foi reforçada, principalmente nos pontos onde há registro de mar agitado. Ao todo, 96 profissionais atuaram nas praias da cidade durante o feriado.

“A principal dica é: as pessoas devem ficar atentas à condição do mar. Se o mar está muito agitado, o risco de afogamento é muito maior”, explica o comandante.

Além disso, o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina divulgou uma lista com os principais cuidados que os banhistas devem ter nessa época do ano:

  • Em água doce ou salgada, prefira banhar-se em locais rasos e sem correnteza;
  • Se notar que está sendo arrastado por uma dessas correntes, mantenha-se calmo e tente acenar ou gritar por socorro enquanto nada transversalmente (para o lado, em vez de para o raso);
  • Não tente salvar pessoas vítimas de afogamento sem estar habilitado. Neste caso, lance algum objeto que a ajude a vítima a flutuar e acione guarda-vidas ou a emergência pelo telefone 193;
  • Crianças exigem cuidado redobrado. Não as perca de vista;
  • Sempre que possível, opte pelo uso do colete salva-vidas ao invés de objetos flutuantes;
  • Nunca nade após ingerir bebidas alcoólicas, alimentos ou se estiver passando mal ou com frio;
  • Evite aproximar-se de costões. Ao caminhar sobre as pedras destes ambientes, observe antes se uma onda não poderá atingi-lo e jogá-lo no mar;
  • Antes de mergulhar, certifique-se da profundidade. Um acidente pode provocar sequelas irreversíveis.

Geral