Centro Executivo Carl Hoepcke unirá história e modernidade no Centro de Florianópolis

Um espaço privilegiado no Centro de Florianópolis, com vista para o mar e para a ponte Hercílio Luz, ganhará um empreendimento que pretende unir história e modernidade em um novo conceito. É o Centro Executivo Carl Hoepcke que vai aliar gastronomia, coworking, cultura, lazer e convivência em um terreno de 7,5 mil metros quadrados.

Casarão está rodeado de novas construções no Centro Executivo Carl Hoepke – Anderson Coelho/ND

O projeto engloba, ainda, a restauração de um casarão e cinco galpões que sediavam as antigas fábricas de pontas (pregos) e de gelo do Grupo Grupo Hoepcke, que davam suporte ao antigo estaleiro Arataca, localizado na cabeceira insular da ponte Hercílio Luz. As construções históricas datam do início do século 20.

Localizado entre as ruas Henrique Valgas e Cristovão Nunes Pires, as obras do Centro Executivo Carl Hoepcke estão em fase final e a estimativa é que sejam concluídas até dezembro de 2019.

Leia também:

“O projeto foi concebido para criarmos um ícone da cidade de Florianópolis. São quatro torres, duas maiores e duas menores, com 20 mil metros quadrados. Vamos ter espaços corporativos modernos fazendo contraste com nossos bens tombados. A ideia é entreter e fazer com que as pessoas circulem por esses espaços”, explicou Patricia Grillo, diretora da Hoepcke.

Proposta de restauro

De acordo com o engenheiro Renato Ramos Silva, a ideia é interferir o mínimo possível nas construções históricas.

“Dos cinco galpões, três já tiveram autorização da prefeitura, diante do risco de desabamento das coberturas. A estrutura metálica dos galpões ainda é original, e o madeiramento (tesouras) será substituído conforme a necessidade”, explica Silva.

Projeto prevê praça entre torres – Centro Executivo Carl Hoepcke/Divulgação/ND

Outros dois galpões ainda estão ocupados por locatários (uma locadora de veículos e uma igreja), mas também serão restaurados. “Vamos resgatar a arquitetura original, reconstituir a fachada do projeto original, com o mesmo telhado da época, que utiliza telhas francesas”, conta Silva. A ideia é de que os galpões se transformem em um espaço de entretenimento. “Queremos que as pessoas curtam esse espaço e não apenas venham até aqui para consumir algo”, relata Silva.

Já no casarão de 379 metros quadrados, com acesso pela rua Cristóvão Nunes Pires, a prefeitura já autorizou a retirada do reboco. “Como tinham muitos focos de infiltração, com a retirada do reboco, conseguimos evitar danos na estrutura provocados pela umidade”, justifica Silva.  A casa foi residência de um amigo da família Hoepcke durante anos até ser devolvida.

Poder público

Tanto o casarão como os galpões estão em processo de tombamento e só podem ser reformados com alvará de autorização da prefeitura de Florianópolis. O processo já recebeu aprovação do Sephan (Serviço de Patrimônio Histórico) e tramita atualmente na SMDU (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano) que analisa o Estudo de Impacto de Vizinhança.

Já o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) recebeu o projeto no final de agosto e no dia 10 de setembro deu o parecer favorável para o restauro da fachada do casarão e galpões.

“Por ser no entorno da ponte Hercílio luz, o projeto tem que vir pro Iphan e ser aprovado. Analisamos a volumetria, as cores, o tipo de material, o tipo de telha, e caso seja condizente com o que está no local, não havendo nenhum tipo de demolições ou alterações em fachadas, nós aprovamos”, disse Liliane Nizzola, superintendente do Iphan-SC. Apesar da burocracia, o empreendimento segue o seu cronograma.

Ponto estratégico da cidade

A fábrica do grupo Hoepcke foi uma das primeiras indústrias de Florianópolis. A empresa dava suporte ao estaleiro Arataca e contribuía para a produção industrial, movimentando as atividades portuárias. Chegou a ser considerada a mais importante fábrica de pregos do país, sendo premiada em diversas exposições de âmbito nacional e internacional.

Segundo o historiador Fábio Garcia, pelo local entrava e saía parte das mercadorias importadas e exportadas de Santa Catarina. Na região havia também o antigo cais Rita Maria, onde hoje é a rodoviária. “Antes da ponte Hercílio Luz a ligação se dava por balsas então essa era uma região estratégica para o escoamento da produção”, conta Fábio.

De acordo com o historiador, a arquitetura das construções remete ao neoclássico, característico do início do século 20, sendo um patrimônio material importante que deve ser preservado.

Centro Executivo Carl Hoepcke:

  • Quatro torres modernas (A1, A, B e C)
  • Estacionamento rotativo
  • Sistema de monitoramento CFTV 24 horas
  • Controles de acessos
  • Elevador de garagem privativo
  • Salas privativas planejadas para uso de biometria
  • Separação de resíduos e reaproveitamento durante a construção
  • Sistema de reutilização de água da chuva
  • Telhados verdes
  • Vidros reflexivos com atenuante solar
  • Localização estratégica
  • Iluminação acionada por sensor de presença

Centro Executivo Carl Hoepcke unirá história e modernidade no Centro de Florianópolis

Centro Executivo Carl Hoepcke que vai aliar gastronomia, coworking, cultura, lazer e convivência em um terreno de 7,5 mil metros quadrados - Hoepcke/Divulgação/ND

Centro Executivo Carl Hoepcke que vai aliar gastronomia, coworking, cultura, lazer e convivência em um terreno de 7,5 mil metros quadrados - Hoepcke/Divulgação/ND

O projeto engloba, ainda, a restauração de um casarão e cinco galpões que sediavam as antigas fábricas de pontas (pregos) e de gelo do Grupo Grupo Hoepcke. - Hoepcke/Divulgação/ND

O projeto engloba, ainda, a restauração de um casarão e cinco galpões que sediavam as antigas fábricas de pontas (pregos) e de gelo do Grupo Grupo Hoepcke. - Hoepcke/Divulgação/ND

Localizado entre as ruas Henrique Valgas e Cristovão Nunes Pires, as obras do Centro Executivo Carl Hoepcke estão em fase final eestimativa é que sejam concluídas até dezembro de 2019 - Hoepcke/Divulgação/ND

Localizado entre as ruas Henrique Valgas e Cristovão Nunes Pires, as obras do Centro Executivo Carl Hoepcke estão em fase final eestimativa é que sejam concluídas até dezembro de 2019 - Hoepcke/Divulgação/ND

São quatro torres, duas maiores e duas menores, com 20 mil metros quadrados - Hoepcke/Divulgação/ND

São quatro torres, duas maiores e duas menores, com 20 mil metros quadrados - Hoepcke/Divulgação/ND

Proposta prevê espaços corporativos modernos fazendo contraste com bens tombados - Hoepcke/Divulgação/ND

Proposta prevê espaços corporativos modernos fazendo contraste com bens tombados - Hoepcke/Divulgação/ND

Ideia é entreter e fazer com que as pessoas circulem por esses espaços - Hoepcke/Divulgação/ND

Ideia é entreter e fazer com que as pessoas circulem por esses espaços - Hoepcke/Divulgação/ND

Obra conta com a separação de resíduos e reaproveitamento durante a construção - Hoepcke/Divulgação/ND

Obra conta com a separação de resíduos e reaproveitamento durante a construção - Hoepcke/Divulgação/ND

Projeto prevê iluminação acionada por sensor de presença e elevador de garagem privativo - Hoepcke/Divulgação/ND

Projeto prevê iluminação acionada por sensor de presença e elevador de garagem privativo - Hoepcke/Divulgação/ND

Economia