Com Centro vazio, açougues e peixarias voltam a funcionar em Florianópolis

Atualizado

No Mercado Público, poucas pessoas foram às compras no primeiro dia que liberou o comércio de peixarias e açougues – Foto: Anderson Coelho/ND

No silencioso Centro de Florianópolis, peixarias, açougues, padarias e mercearias voltaram a funcionar na manhã desta terça-feira (24). Com ruas ainda vazias, os locais, em sua grande maioria, voltam com produção reduzida e alguns funcionários de férias ou dispensados.

O Governo do Estado de Santa Catarina publicou portaria que amplia a lista de estabelecimentos que podem abrir em meio à pandemia de coronavírus, durante a tarde desta segunda-feira (23).

Com isso a portaria prevê o funcionamento de “serviços privados essenciais” durante o período quarentena. Entre eles: padarias, mercearias, açougues e peixarias.

O funcionamento de farmácias, mercados e supermercados já era previsto na primeira versão do decreto, assinado pelo governador Carlos Moisés (PSL) no dia 17.

O atendente da Peixaria Trindade, Murilo Hornung, avalia a situação como preocupante – Foto: Anderson Coelho/ND

Mercado Público

A reportagem do nd+ foi até um dos principais pontos turísticos da cidade, o Mercado Público, onde peixarias e açougues funcionam há anos. O atendente da Peixaria Trindade, Murilo Hornung, afirma que mesmo reabrindo o baque financeiro ainda é grande.

O atendente alega que cerca de 80% do movimento diminuiu devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), e o medo das pessoas saírem de casa. “Normalmente atendíamos até 200 pessoas, hoje deve ter chegado a 20”, pontua.

Sócio proprietário do açougue Kretzer, Thiago Kretzer, diz que movimento não comporta a abertura do estabelecimento – Foto: Anderson Coelho/ND

Também no Mercado Público funciona o Açougue Kretzer. No local a reclamação é a mesma. Apesar de reabrirem as portas, o movimento não comporta os gastos.

“Antes atendíamos cerca de 100 clientes diariamente, hoje não chegou a 20”, relata o sócio proprietário do local, Thiago Kretzer. O açougue se adequou às normas de segurança e higiene, dando distância de no mínimo 1,5 metros entre os clientes que aguardam na fila, além do uso do álcool em gel.

Avenida Hercílio Luz

“Em 39 anos funcionando aqui nunca vi tão poucas pessoas na rua e um movimento tão fraco”, relata o proprietário do restaurante Caiçara, Munir Nunes, que funciona na avenida Hercílio Luz.

O local vêm funcionando apenas com entregas através de aplicativo ou por telefone. A medida tem como intuito prevenir a progressão do coronavírus. Após dias, o restaurante reabriu no último sábado (21), segundo Nunes, a pedido de clientes que o telefonaram.

Munir Nunes, do restaurante Caiçara, na avenida Hercílio Luz, reabriu para delivery, mas movimento é baixo

“Fica difícil até mesmo abrir as portas, fiz isso pela fidelidade de clientes que me ligaram. Nosso movimento caiu cerca de 70% devido a essa crise. Uma hora a conta chega, e precisamos pagar, mas como?”, lamenta o proprietário.

Na Padaria Blumenau, apenas a proprietária, Patrícia Silva, e uma atendente abriram as portas do local para trabalhar nesta manhã. O local, que anteriormente funcionava das 7h às 22h, está atendendo com horário reduzido das 8h às 18h.

“Registramos mais de 70% de queda no movimento. O jeito foi dar férias para todos os funcionários e funcionar em horário reduzido”, explica a proprietária.

Padaria Blumenau, tradicional na Hercílio Luz, também teve pouco movimento – Foto: Anderson Coelho/ND

Ainda segundo Patrícia, poucas pessoas foram ao local nesta terça-feira, com a maioria dos pedidos sendo feitos por aplicativos de entrega. Mesmo os que vão até o local não podem consumir produtos no interior do ambiente.

Centro vazio

Conhecida por ser um verdadeiro “formigueiro de pessoas”, a rua Jerônimo Coelho, no Centro da Capital, segue com comércio fechado e pouquíssimas pessoas nas ruas.

A população vem atendendo a recomendação da Prefeitura de Florianópolis e do Governo do Estado de permanecer em casa. A tendência é que ao menos nos próximos sete dias, a Capital catarinense permaneça no mesmo cenário.

Saúde