Com DNA na inovação, Portobello aposta no projeto Lastras para produzir grandes formatos

Atualizado

Empresário Cesar Gomes Júnior e governador Carlos Moisés descerraram fita inaugural. Foto: Anderson Coelho/ND

A inovação está presente no DNA da Portobello e, para celebrar o aniversário de 40 anos, a empresa de revestimentos cerâmicos instalada em Tijucas (SC) aposta no Projeto Lastras, lançado oficialmente na manhã desta sexta-feira. Com um investimento estimado em R$ 155 milhões, o projeto que vai gerar produtos em grandes formatos para colocar a Portobello mais uma vez na vanguarda do setor cerâmico.

A inauguração do forno de 236 metros de comprimento com largura de 2,40 metros contou com as presenças do governador Carlos Moisés, do prefeito de Tijucas, Elói Mariano da Rocha, e do presidente da Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina), Mario Cesar de Aguiar, além do fundador da empresa Cesar Bastos Gomes. “É uma verdadeira fábrica de mármore, mas bem superior ao mármore natural”, resumiu o presidente da Portobello, Cesar Gomes Júnior, sobre o novo empreendimento.

De acordo com o empresário, a nova linha de produtos da indústria, que produz mais de 40 milhões de metros quadrados por ano, revela a confiança no momento atual de superação da crise econômica. “Os últimos quatro a cinco anos foram difíceis, mas estamos mudando essa realidade. O que vamos ver aqui é resultado dessa confiança, de quem acredita no Brasil”, discursou.

Novo forno foi ligado pelo fundador Cesar Bastos Gomes e pelo governador Carlos Moisés Foto: Anderson Coelho/ND

O novo forno permite gerar diferentes formatos e é dotado de um sistema inteligente de aquecimento e resfriamento, o que propicia ter o produto em distintos formatos e acabamentos. “São produtos com características técnicas e estéticas bem superiores ao mármore natural, o produto mais nobre em termos de revestimento. Vamos produzir um mármore com mais resistência, baixa porosidade e de fácil limpeza, conforme o gosto do mercado”, explica Gomes Júnior.

O governador Carlos Moisés elogiou o entusiasmo do empresário e destacou a capacidade empreendedora da Portobello. “Eu acredito que Santa Catarina está indo bem, pela coragem de continuar investindo que está sendo mostrada aqui com a ampliação do parque fabril. É desafiador trabalhar em um país com tanta inconstância”, declarou.

Para o presidente da Fiesc, Mário Cezar Aguiar, o investimento feito pela indústria de revestimentos cerâmicos de Tijucas demonstra a crença que o empresário catarinense tem em empreender. “Ele acredita na sua região e por conta disso temos sido destaque em nível nacional”, disse, ao lembrar que o Santa Catarina tem a maior renda per capita da indústria brasileira, superando São Paulo.

Novas instalações do parque fabril da Portobello. Foto: Anderson Coelho/ND

Empresa tem novo desafio: aculturar o mercado

Vencido o desafio tecnológico com a construção do novo forno, a Portobello está preparada para enfrentar o desafio comercial proposto pelo novo produto. “Precisamos aculturar o mercado. O produto Portobello precisa ser exposto, pois é diferenciado, então temos que preparar o lojista e a exposição nas lojas. É um processo gradativo, mais lento do que a evolução do produto na fábrica”, afirmou Gomes Júnior.

Para vencer mais esse desafio, a indústria conta com a Portobello Shop. Criada em 1998, a rede de 140 lojas atende mais de mil clientes por dia. “A rede de lojas é um diferencial competitivo que nos dá sensibilidade e capacidade de ouvir o mercado e buscar soluções”, comentou.

Indústria comemora 40 anos de atuação no mercado. Foto: Anderson Coelho/ND

Além da rede de lojas, a Portobello adotou uma estratégia de multicanais através de parcerias com as Home Centers, de uma rede de relacionamento formada por mais de 25 mil arquitetos e de uma estrutura de venda direta para grandes projetos criada ainda no início dos anos 90. “Antes, nós tínhamos uma indústria com um canal de distribuição. Hoje temos uma empresa de varejo que abastece a nossa indústria”, define.

Além do mercado interno, a Portobello também tem os olhos voltados para a exportação. Atualmente, a indústria tem 20% da produção destinada ao mercado externo, com foco nas Américas (EUA, Canadá e Argentina são os principais compradores), e deu um passo recente de internacionalização da marca, com abertura de uma unidade nos Estados Unidos.  “A sensação que eu tenho é que estamos começando diante das novas oportunidades dentro desse novo contexto de Brasil”, completou Gomes Júnior.

Portobello 40 anos