Conteúdo por Gazeta Esportiva

Com metade do público, Morumbi tem mais clima de jogo para Chile do que para o Brasil

Um duelo que envolveu uma torcida apaixonada diante de um rival que tem uma enorme colônia na cidade de São Paulo poderia descrever a estreia do Brasil contra a Bolívia na Copa América, na sexta-feira da semana passada, mas cabe muito mais para o embate entre Chile e Japão, na noite de terça, no estádio do Morumbi. Mesmo com metade do público, os chilenos tiveram no local uma força de mandante que a Seleção não conseguiu.

À espera de um “calor” maior do público nesta terça-feira, contra a Venezuela, em Salvador, o time do técnico Tite passou praticamente os 90 minutos sem receber cânticos de apoio dos 46 mil pagantes presentes ao Morumbi. Depois de receber até vaias na saída do primeiro tempo, a equipe conseguiu resolver rapidamente o placar na etapa final e viu os torcedores, que pagaram um ticket médio na casa dos R$ 485, ao menos aplaudirem as bolas na rede durante o 3 a 0.

No duelo do atual bicampeão da Copa América, porém, a torcida fez questão de se sentir em casa no estádio são-paulino. Presentes durante todo o trajeto do centro ao Morumbi, eles tomaram as ruas e bradaram com gritos de “campeão” e “papai”, uma espécie de apelido a um time que ganha frequentemente. “Chegou o papai”, cantaram alguns na entrada para o jogo, ainda três horas antes da bola rolar.

Bem menos recheadas do que cinco dias antes, as arquibancadas chegaram a pulsar em dados momentos, principalmente no anúncio dos nomes de Vidal, Sánchez e Vargas, trio já renomado da equipe, e na finalização do hino nacional, à capela, com a parte orquestral já finalizada.

Depois disso, os chilenos receberam um cântico de apoio, ainda que modesto perto de um jogo com torcidas de times brasileiros, mas muito superior ao visto com a Seleção. Até mesmo a explosão com os gols chamou mais a atenção, comovendo diversos jornalistas chilenos presentes à tribuna de imprensa.

O Japão, por sua vez, não ficou para trás na simpatia. Perdendo por 2 a 0, viu a torcida ensaiar um “eu acredito” e outro “vamos virar, Japão” até ser goleado de vez pelos vermelhos. A festa após o 4 a 0, por sinal, contrastou com a saída calada da torcida brasileira quando teve a sua oportunidade de torcer.

A galera paulistana, aliás, terá mais um encontro com o Brasil no sábado, na primeira partida da Arena Corinthians na competição. Philippe Coutinho e companhia encaram o Peru, pela terceira rodada do grupo, retornando ao local onde disputaram um jogo contra o Paraguai, pelas Eliminatórias da Copa da Rússia, em março de 2017.

Copa América