Começa mais um processo de transferência de carga da Ponte Hercílio Luz

Atualizado

A noite desta segunda-feira (3) marcou mais uma etapa decisiva para o projeto de restauração da ponte Hercílio Luz. Uma nova transferência de carga, que fará com que 80% do peso da ponte volte a ser sustentado pela própria estrutura, começou a ser realizada perto das 23h.

Transferência de carga da Ponte Hercílio Luz – Flávio Tin/ND

O processo ocorre até as 3h. O trabalho, no entanto, vai continuar por quatro noites consecutivas, até a quinta-feira (6), se as condições do tempo permitirem (sem ventos ou chuvas fortes).

A operação deve levar cerca de cinco horas a cada vez e permitirá que a sustentação volte a ser feita por 360 barras de olhal e 28 cabos pendurais. Ao término dos trabalhos, cerca de 1,7 mil tonelada do peso da ponte voltará a ser sustentada pela estrutura pênsil.

Ao final, a estrutura será rebaixada em 80 centímetros e será realizada por 54 macacos com bombas hidráulicas operadas por computador.

Parte da carga da ponte Hercílio Luz está apoiada em cavaletes temporários desde 2017 – Flávio Tin/ND

Não haverá interrupções no trânsito. Somente o canal marítimo será interditado durante a operação, que conta com um plano de contingência alinhado com a Defesa Civil e órgãos de segurança. “O grau de segurança dessa operação é muito alto, com risco mínimo de incidentes, já que conhecemos bem a estrutura da ponte”, diz o secretário de Estado da Infraestrutura, Carlos Hassler.

Para o secretário, esse momento representa o ápice de meses de cálculos e planejamento técnico para recolocar a ponte em funcionamento. “Atualmente, a ponte está apoiada sobre uma espécie de cavalete, mas a partir da transferência de carga, que ainda não é de 100%, ela volta a ficar apoiada sobre a estrutura de estaiamento”.

Transferência de carga da ponte Hercílio Luz – Secretaria de Estado da Infraestrutura/Divulgação

Primeira operação ocorreu em 2017

A primeira transferência de 80% da carga ocorreu de 9 a 13 de outubro de 2017. Nesse trabalho, foram fechados o acesso do lado insular da ponte e o canal de navegação.

O objetivo era depositar, de forma gradativa, o peso da estrutura sobre cavaletes provisórios construídos abaixo da ponte. A medida era necessária para o processo de restauração e a etapa mais delicada de toda a obra.

Os trabalhos também foram feitos durante a noite para evitar influências térmicas. Após a transferência de carga, os técnicos da empresa Teixeira Duarte começaram a desmontar as barras de olhal, em novembro daquele mesmo ano.

Novas barras foram trazidas para a Ilha de Santa Catarina em junho de 2018, quando começaram a ser montadas novamente. Essas peças representam 40% do peso total da ponte.

Infraestrutura