Comércio espera aumento de até 40% nas vendas com retomada do ônibus em Florianópolis

Atualizado

Com o retorno do transporte coletivo em Florianópolis, previsto para a próxima quarta-feira (17), um dos setores que “festeja” a liberação é o comércio na região central.

Comércio de rua de Florianópolis espera acréscimo nas vendas – Foto: Divulgação/PMF/ND

A previsão do setor, segundo o presidente da CDL Ernesto Caponi, é de crescimento de 30 e 40% das vendas nos primeiros dias. “A tendência é termos um aumento gradativo”, avalia Caponi.

Apesar da liberação do transporte público, o comércio de rua deverá continuar respeitando as medidas de segurança estabelecidas pelos decretos relacionados à pandemia.

“O comércio está apto para receber essa nova leva de pessoas. É necessário que se mantenha dentro do regramento estipulado. Recomendamos evitar aglomeração, utilizar álcool em gel, máscaras, além do monitoramento do número de pessoas dentro da loja. É importante que não haja contato físico para evitar o contágio”, reforçou o presidente.

Confira as regras impostas às lojas:

  • Proibido usar provador de roupa;
  • Clientes não podem provar itens (sapato, roupas, acessórios);
  • Lojas de cosmético não podem oferecer testes de produtos;
  • Vendedores devem higienizar as mãos dos clientes;
  • Trabalhadores têm que usar máscaras.

Prejuízos durante a pandemia

Segundo a CDL, no período de isolamento social, os comerciantes tiveram prejuízo quase que total. Apesar da reabertura em abril, sem ônibus circulando pela Ilha, o movimento ficou abaixo daquele previsto em condições normais.

“Esperamos um crescimento, mas ainda longe do que era antes [da pandemia], temos que ser realistas”, pontuou Caponi.

Previsão otimista

Para a economista Laura Pacheco, o impacto nas vendas pode ser maior do que o projetados pela CDL com a retomada do transporte público. “Tudo vai depender do avanço do vírus com o retorno do transporte coletivo e quantos leitos de UTI serão ocupados”, destacou.

Se o número de casos não aumentar e não houver necessidade de paralisar o transporte coletivo novamente, Laura acredita que a expectativa para o setor será promissora.

“Apesar de o poder aquisitivo do brasileiro ter diminuído devido ao ‘massacre’ de desempregos no país, o dinheiro existe na economia, ele apenas não está circulando no momento”, explica.

“As pessoas não vão ficar paradas, precisam fazer o dinheiro circular. Vão tentar se realocar ou se envolver com alguma atividade econômica. Isso faz com que o dinheiro circule. Acredito que o comércio possa se surpreender”, aposta.

A especialista acredita ainda que o dinheiro do saque emergencial do FGTS pode ser mais um fator positivo para o giro da economia do país.

Adaptação do comércio

Após reunião entre os representantes sindicais da categoria e o secretário Municipal de Turismo, Tecnologia e Desenvolvimento Econômica da Capital, Juliano Richter Pires, adaptações serão realizadas para o retorno dos ônibus.

Álcool 70% é item essencial na entrada do comércio – Foto: Ian Sell/ND

Avaliação de horários

Conforme ficou acordado, o comércio varejista e os centros comerciais deverão funcionar das 10h às 19 horas. Os shoppings centers das 11h às 21 horas. O comércio de materiais de construção continua com horário livre.

Conforme o Sindilojas, entre 17 a 19 de junho será realizada avaliação da operação e do quadro de horários de funcionamento dos estabelecimentos comerciais de Florianópolis. Nova avaliação dos impactos será feita entre 22 de junho e 3 de julho.

A Guarda Municipal e a Vigilância Sanitária devem intensificar as fiscalizações a partir de quarta-feira, para verificar se os estabelecimento estarão cumprindo as medidas preventivas.

Mais conteúdo sobre

Economia