Crianças carentes podem desenvolver estresse pós-traumático por causa da quarentena

Atualizado

Estudo publicado pela fundação The Childhood Trust, em Londres, dá conta de que crianças carentes já estão desenvolvendo estresse pós-traumático devido à pandemia do novo coronavírus. O relatório foi divulgado pelo jornal britânico The Independent nesta segunda-feira (22). 

É provável que a pandemia tenha consequências graves na educação dessas crianças, afirma o relatório. – Foto: Reprodução/Pinterest

O relatório aponta que crianças de famílias carentes são mais vulneráveis a problemas mentais como depressão, ansiedade e, muitas vezes, à fome, causada pelo isolamento social.

Leia também:

“O aumento do número de mortos é relatado todos os dias, essas crianças vêem isso e internalizaram”, disse Laurence Guinness, executivo chefe do The Childhood Trust, em entrevista à BBC News – que também repercutiu o estudo.

Durante a pandemia, as crianças que não tem acesso a internet, estão sem escola. Muitas delas, tem acesso limitado, se o tiverem, à atividades educacionais e tecnologia, além de não conseguirem consultas médicas ou terapias.

O estudo destaca ainda que a falta de contato com professores, médicos e colegas, colocam algumas crianças em situação de abuso dentro da própria família. 

O relatório também aponta que houve aumento de 21% nas vendas de álcool durante o confinamento na Europa e acrescenta que existem 2,6 milhões de crianças vivendo com um dos pais bebendo perigosamente, enquanto 705 mil vivem com um dependente químico.

Mundo