Denúncia contra Glenn é claro risco à liberdade de imprensa, diz OAB

Atualizado

A Ordem dos Advogados do Brasil reagiu, nesta terça-feira (21), à denúncia oferecida contra o jornalista Glenn Greenwald no âmbito da Operação Spoofing.

Glenn Greenwald é acusado de quebra de sigilo de conversas – Foto: Reprodução/ND

Para a entidade, a peça do procurador da República Wellington Divino Marques de Oliveira “criminaliza a mera divulgação de informações”.

A nota é assinada pelo Observatório da Liberdade de Imprensa da entidade.

A OAB afirma então acompanhar o caso com “grande preocupação”.

“A denúncia descreve fato que não pode ser considerado crime. A participação em qualquer delito exige instigação ou colaboração efetiva para sua prática, e nenhuma das mensagens do jornalista incluídas no expediente do MPF indica qualquer desses comportamentos.

A denúncia, portanto, criminaliza a mera divulgação de informações, o que significa claro risco para a liberdade de imprensa”, afirma a OAB.

Entenda o caso

O MPF (Ministério Público Federal) denunciou o jornalista Glenn Greenwald e outros seis investigados no âmbito da Operação Spoofing, que apura invasão e roubo de mensagens de celulares de procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato e do então juiz Federal Sérgio Moro.

Para o MPF, ficou comprovado que Glenn auxiliou, incentivou e orientou o grupo durante o período das invasões.

Leia também

Ainda de acordo com os procuradores, essa atitude do jornalista caracteriza “clara conduta de participação auxiliar no delito, buscando subverter a ideia de proteção a fonte jornalística em uma imunidade para orientação de criminosos”.

As sete pessoas foram denunciadas por crimes relacionados à invasão de celulares de autoridades brasileiras.

Política