Deputado alega Estado “acéfalo” e quer o afastamento de Carlos Moisés

Atualizado

O deputado Ivan Naatz (PL), relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que apura a compra irregular dos 200 respiradores por parte do governo do Estado, quer o afastamento do chefe do Executivo, Carlos Moisés. Para o parlamentar, que reagiu “sem surpresa” a suposta participação do governador no processo de compra dos equipamentos, a administração atual está “acéfala” já que, além de toda a investigação, não há plano “para nada”.

Leia também

O deputado Ivan Naatz já encaminhou um pedido à procuradoria da Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina), para avaliar os caminhos da Casa para pedir um afastamento de Carlos Moisés.

De acordo com o parlamentar esse pedido já foi feito e, no momento, já aguarda esse parecer jurídico. “Eu não sei como pode ser feito, se tem que ser pela CPI, se tem que ser com todos os deputados, o que eu sei é que não vou desistir de pedir para o atual governador sair. Ele mostra que não tem condições”, acrescentou.

Em entrevista concedida a reportagem do nd+, Naatz explicou que além de todo o escândalo envolvendo a compra dos respiradores, a atual administração “está perdida”.

“Não pagaram os hospitais filantrópicos, não tem plano contra o avanço do coronavírus, não tem plano estratégico, não tem plano de enfrentamento turístico. Não tem nada. O governo está acéfalo”, justificou.

Governador valorizou os avanços do Estado

No início da noite desta segunda-feira (22), o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, convocou uma coletiva para se defender do suposto envolvimento no processo de compra.

Horas antes o MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) emitiu um parecer ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina para que o processo fosse remetido ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) em função da prerrogativa de foro privilegiado do governador, uma vez que ele foi mais citado pelas partes investigadas.

Em sua defesa, Carlos Moisés falou em “narrativas criadas” a partir do encaminhamento das mensagens. Em mais de uma oportunidade Moisés explicou que não teve nada a ver com o processo de compra e que está “tranquilo”.

“Eu, mais do que ninguém e como cidadão catarinense, tenho interesse que essas situações sejam devidamente reveladas”, acrescentou o governador.

CPI dos Respiradores

A CPI dos Respiradores da Alesc tomará mais dois depoimentos na reunião desta terça-feira, a partir das 17 horas. Entre as testemunhas, está o empresário Samuel de Brito Rodovalho, representante da Cima Industries Inc. Medical Division (empresa fornecedora de respiradores).

Política