Descarte irregular de resíduos da construção civil em Joinville é tema de reunião do MPF

Os impactos negativos do descarte irregular de resíduos sólidos da construção civil foi tema de uma reunião entre o MPF (Ministério Público Federal) e o Núcleo de Consultoria Ambiental e Saneamento, da Associação Empresarial de Joinville (Acij). O debate aconteceu na segunda-feira (29), na sede da associação.

Reunião debateu sobre o destino correto dos resíduos na construção civil – Acij / Divulgação

O procurador da República em Joinville Flávio Pavlov pontuou as consequências ocasionadas pela destinação incorreta de rejeitos. Segundo ele, as áreas usadas para o descarte não obedecem ao plano diretor e ao zoneamento urbano do município. A maioria das áreas de despejo são em mangues – ecossistema importante para o setor pesqueiro, que sustenta direta ou indiretamente mais de um milhão de pessoas.

Além disso, os aterros viram locais de vivência, sem energia, esgoto e coleta de lixo, o que permite a ocupação de pessoas ligadas ao crime organizado.

As ocupações irregulares, decorrentes de aterros ilegais com detritos da construção civil, atualmente são monitoradas pela Secretaria Municipal de Habitação de Joinville. As polícias Civil e Militar também têm maior acesso as regiões devido ao índice de criminalidade.

Leia também:

De acordo com o presidente do Núcleo de Consultoria Ambiental, Rafael Zoboli Guimarães, a reunião buscou integrar o segmento que trabalha com a construção civil, a fim de levantar as dificuldades e propor soluções para a correta gestão dos resíduos.

Uma das ações que está em desenvolvimento é o lançamento de uma cartilha com orientações sobre o descarte correto de resíduos. Reuniões e encontros com as grandes construtoras também são ações previstas nos próximos meses.

Mais conteúdo sobre

Geral