Doadores lotam Hemosc além da capacidade em Florianópolis

No sábado (27), o Hemosc da Capital recebeu mais doadores do que sua capacidade normal: 110 pessoas. O número incomum de voluntários foi resultado do programa “Mãos Que Ajudam”, realizado em 130 cidades e todas as capitais brasileiras.

Piero Ragazzi/ND

Programa era voltado a jovens que nunca doaram sangue, mas atraiu voluntários antigos

A intenção era atrair jovens entre 18 e 30 anos que nunca doaram sangue, mas a chamada levou inclusive quem costuma frequentar o Hemosc há anos. O porteiro Rodeni Anchieta Acosta, de 49 anos, que também é doador de medula, foi um deles. “Gosto de ajudar os outros. Tenho consciência de que sangue não pode ser fabricado. Depende da bondade alheia”, ressaltou. A doação coletiva foi parte do projeto feito em todo o Brasil, e segundo os organizadores mobilizou mais de 30 mil doadores.

Geral