Dodge reanalisa impedimento de Gilmar Mendes pedido por Janot

REYNALDO TUROLLO JR. E LETÍCIA CASADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu vista para dar uma eventual nova manifestação da PGR (Procuradoria-Geral da República) sobre pedidos de impedimento que seu antecessor, Rodrigo Janot, havia apresentado ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra o ministro Gilmar Mendes.

Janot pediu à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo, o impedimento de Mendes para atuar em casos envolvendo os empresários Eike Batista, Jacob Barata Filho, conhecido como “rei do ônibus”, e Lélis Teixeira, presidente da Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro).

Os três foram presos em investigações no Rio e depois foram soltos por habeas corpus concedidos por Mendes, que converteu as prisões em medidas mais brandas (como prisão domiciliar).

As arguições de impedimento estavam à espera de decisão da ministra Cármen Lúcia. Agora, voltam para Dodge, que poderá manifestar um entendimento diferente do de Janot.

“A Procuradora-Geral da República requer vista dos autos para exame da matéria e manifestação eventualmente cabível”, escreveu Dodge à presidente do STF. O ato foi um dos primeiros de Dodge à frente da PGR, e entrou no sistema do Supremo na terça (26).

O ministro Mendes foi um dos fiadores da campanha de Dodge à PGR. Ela foi nomeada pelo presidente Michel Temer em junho. Pessoas próximas dizem que a procuradora-geral e o ministro se conhecem há muitos anos. Mendes já foi membro da Procuradoria, tendo ingressado na carreira pouco antes de Dodge.

Mais conteúdo sobre

Política

Dodge reanalisa impedimento de Gilmar Mendes pedido por Janot

REYNALDO TUROLLO JR. E LETÍCIA CASADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu vista para dar uma eventual nova manifestação da PGR (Procuradoria-Geral da República) sobre pedidos de impedimento que seu antecessor, Rodrigo Janot, havia apresentado ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra o ministro Gilmar Mendes.

Janot pediu à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo, o impedimento de Mendes para atuar em casos envolvendo os empresários Eike Batista, Jacob Barata Filho, conhecido como “rei do ônibus”, e Lélis Teixeira, presidente da Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro).

Os três foram presos em investigações no Rio e depois foram soltos por habeas corpus concedidos por Mendes, que converteu as prisões em medidas mais brandas (como prisão domiciliar).

As arguições de impedimento estavam à espera de decisão da ministra Cármen Lúcia. Agora, voltam para Dodge, que poderá manifestar um entendimento diferente do de Janot.

“A Procuradora-Geral da República requer vista dos autos para exame da matéria e manifestação eventualmente cabível”, escreveu Dodge à presidente do STF. O ato foi um dos primeiros de Dodge à frente da PGR, e entrou no sistema do Supremo na terça (26).

O ministro Mendes foi um dos fiadores da campanha de Dodge à PGR. Ela foi nomeada pelo presidente Michel Temer em junho. Pessoas próximas dizem que a procuradora-geral e o ministro se conhecem há muitos anos. Mendes já foi membro da Procuradoria, tendo ingressado na carreira pouco antes de Dodge.

Mais conteúdo sobre

Jornalismo

Nenhum conteúdo encontrado