Educação planeja subsídio para alimentação de estudantes carentes em Santa Catarina

Atualizado

O secretário de Educação, Natalino Uggioni e o governador Carlos Moisés farão uma reunião nesta terça-feira (31) para discutir a situação de estudantes que dependem da merenda escolar em meio ao cenário de isolamento devido a pandemia de coronavírus.

A pasta apresentará ao Governo uma proposta que prevê repasse financeiro, através da Caixa Econômica, para estudantes cadastrados no programa Bolsa Família. O benefício tem como objetivo garantir a alimentação dos alunos. As aulas estão suspensas desde o último dia 19.

Se aprovado, benefício será aplicado através do programa Bolsa Família – Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Conforme a secretaria de Educação, cerca de 61 mil alunos da rede de ensino estadual estão cadastrados no programa, e devem ser beneficiados caso o projeto seja aprovado. A pasta não informou o valor previsto para o benefício.

Dentro do cadastro escolar, o Estado tem mapeado os alunos que dependem da merenda escolar. Conforme a pasta, há casos onde a merenda é a única alimentação diária do aluno.

Paralelamente, o Senado votará na noite desta segunda-feira (30) o projeto que prevê a distribuição dos alimentos da merenda escolar às famílias dos estudantes que tiveram suspensas as aulas na rede pública após a epidemia do coronavírus.

Leia também:

Mas, diferente de outros Estados brasileiros que já distribuem kits de alimentação, as escolas estaduais de Santa Catarina não contam mais com estoques de comida.

Isso porque os serviços de abastecimento e produção de alimentos nas escolas catarinenses são realizados por empresas terceirizadas. Paralisadas após as determinações de isolamento, as empresas limitam o estoque a um curto prazo e reabastecem as instituições gradualmente.

Assim, os alimentos que estavam estocados no período quando foi assinado o primeiro decreto, já foram distribuídos para os alunos nos primeiros dias de quarentena, informa a Secretaria.

Para a pasta, o repasse do complemento de renda também foi priorizado, pois ele não exige a formação de aglomerações, como ocorreria na distribuição de alimentos. Assim, diminuiria o risco de contaminação por coronavírus.

As duas propostas, de subsídio financeiro e de distribuição de alimentos, serão avaliadas pelo governador.

Na Capital, cartão-merenda começou na terça (24)

A Prefeitura de Florianópolis distribuiu R$ 100 por mês por intermédio de um cartão-merenda para estudantes da rede e creches conveniadas cujas famílias estão cadastradas no Bolsa Família. A primeira fase do programa teve início na última terça-feira (24).

Conforme a Prefeitura, o valor foi calculado com base na alimentação que estes estudantes recebem durante o período em que estão nas unidades educativas.

O cartão-merenda está apto para 310 estabelecimentos atualmente, em que poderão ser comprados produtos alimentícios. Os supermercados, padarias, açougues e hortifrutis que não estiverem cadastrados, mas possuírem interesse em fazer parte da lista, podem entrar em contato no telefone 4003 3731 ou acessar o site.

Educação