Em 11 meses, número de homicídios cresceu 80% em Itapoá

Atualizado

Em constante crescimento populacional e econômico, a violência em Itapoá, no Litoral Norte, vem acendendo um alerta nos últimos meses. A cidade de pouco mais de 20 mil habitantes, registrou um aumento de 80% no número de homicídios em relação a 2018.

Nos últimos 11 meses, nove mortes foram registradas na cidade – Foto: Ricardo Alves/RICTV

Segundo os dados da Secretária de Segurança Pública do Estado, até o último boletim divulgado pelo órgão, já são nove homicídios na cidade em apenas 11 meses.

Um número bem superior se comparado ao ano passado inteiro, quando cinco pessoas foram mortas.

Entre as principais causas dos assassinatos está o tráfico de drogas, segundo a polícia.

De acordo com o delegado Saul Bogoni Júnior, grande parte das mortes estão relacionadas a duas vertentes: dívida de usuários e venda dos entorpecentes.

Neste ano, o único caso considerado “fora da curva” foi uma tentativa de feminicídio.

“De alguma forma, todos os casos tem alguma ligação com o tráfico. Itapoá possui algumas regiões em que há concentração de venda de drogas, o que acaba gerando os homicídios”, explica.

Além disso, segundo o tenente Richardson Bortolini Lima da Polícia Militar, nos últimos anos a cidade registrou uma migração do crime, o que pode justificar os números.

“Pessoas de outros estados, que estão envolvidos com esse tipo de crime, vêm procurando locais pequenos para atuar, o que acaba contribuindo para o aumento de ocorrências na cidade. Só para ter uma noção, foram cumpridos 53 mandados de prisão este ano, por delitos cometidos em outros locais”, explica.

Leia também:

Uma curiosidade apontada por Lima é que, apesar das mortes terem relação com o tráfico, nenhuma delas aconteceu em áreas onde ocorre a venda de drogas no município.

Até novembro deste ano, a polícia ainda não havia prendido nenhum dos suspeitos dos nove homicídios, apesar de todas as investigações estarem em estágio avançado.

Perguntado sobre os autores, o delegado informou que não poderia repassar informações para não atrapalhar as buscas.

Polícia trabalha para diminuir os números

Segundo a Polícia Militar, atualmente o efetivo conta com duas viaturas: uma que atua 24 horas e outra que trabalha 12 horas. Ao todo, 25 policiais trabalham na cidade.

Com o objetivo de combater o tráfico de drogas, a polícia vem realizando constantemente operações no município.

Na última quinta-feira (14), por exemplo, sete pessoas suspeitas de fornecer e revender drogas na região, foram presas.

“Os crimes ocorrem principalmente nas regiões norte e central da cidade. Então, nesses pontos estamos trabalhando com medidas para tentar combater o tráfico e diminuir os índices”, conta Saul. Além disso, de acordo com o Tenente Lima, este ano 23 pessoas foram presas por tráfico de drogas.

A respeito das rixas entre facções, outro motivo que pode levar o aumento no número do homicídios, Lima afirma que não houve relatos a respeito disso na cidade recentemente.

“Apesar dos homicídios serem uma preocupação, a maior reclamação das pessoas são os constantes roubos e furtos que ocorrem na região. Por conta disso, estamos trabalhando com um preventivo forte para evitar todo o tipo de crime no município”, afirma o tenente.

Em um dos casos, mãe e filha foram mortas a tiros – Foto: Ricardo Alves/RICTV

Relembre os nove casos de homicídio em Itapoá:

  • Um casal foi encontrado morto no dia 23 de janeiro dentro de casa, no bairro Pontal. Segundo a Polícia Civil, o homem foi localizado na sala enquanto a mulher estava no quarto do casal. Ambos tinham 30 anos de idade e foram vítimas de disparos de arma de fogo. A identidade dos dois não foi divulgada e a suspeita é que a morte seria relacionada ao tráfico de drogas;
  • Em abril, um homem de 26 anos foi assassinado com um tiro nas costas na Barra do Saí. Segundo a PM, vizinhos teriam ouvido o momento dos disparos e ao verificar o que aconteceu, encontraram a vítima caída no chão. O tiro, segundo os peritos, teria perfurado o pulmão e o coração do jovem.
  • Também em abril, o corpo de um homem foi encontrado carbonizado em um lixão próximo a Estrada Cornelsen. Segundo a PM, a vítima que não foi identificada, aparentava ter entre 20 e 30 anos. A Polícia Civil também investiga o caso.
  • Em maio, um jovem de 22 anos foi encontrado morto com um tiro na nuca, na praia da Barra do Saí. Segundo a PM, o jovem não tinha passagens pela polícia. A suspeita é que ele teria sido executado.
  • No dia 31 de agosto, um policial reformado foi encontrado morto em um matagal em Itapoá. De acordo com a PM, o corpo estava às margens da Avenida Saí Mirim e tinha marcas de tiros no rosto e na região do abdômen. A vítima era natural do Paraná, mas vivia a aproximadamente um ano na região. Segundo testemunhas, a vítima seria usuária de drogas.
  • Em outubro, mãe e filha foram mortas com um tiro na cabeça. Ambas estavam em casa quando dois homens teriam arrombado o local e atirado contra as vítimas. De acordo com a PM, as duas teriam envolvimento com o tráfico de drogas. O caso continua sendo investigado pela Polícia Civil;
  • Na madrugada do dia 15 de novembro, um jovem de 26 anos foi morto com aos menos cinco tiros em Itapoá. De acordo com testemunhas, dois homens encapuzados entraram na casa da vítima e realizaram os disparos. Além disso, de acordo com a polícia, um dos suspeitos teria incendiado o local do crime durante a tarde. A Polícia Civil investiga o caso.
  • *Errata: em um primeiro momento a reportagem publicou que eram 12 policiais militares, porém o efetivo na cidade é de 25

Mais conteúdo sobre

Polícia