Em apuração sobre vídeo de Neymar, policiais vão mais uma vez à Granja Comary

Atualizado

Policiais da DRCI (Delegacia de Repressão a Crimes de Informática) foram ao CT da seleção brasileira, em Teresópolis (RJ), no fim da manhã desta segunda-feira. Eles chegaram em uma viatura no momento em que o técnico Tite concedia entrevista coletiva, e deixaram a Granja Comary no início da tarde.

Vista da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, no Rio de Janeiro, que irá investigar o jogador Neymar por vazamento de fotos íntimas da mulher que o acusou de estupro em Paris – Foto: JOSE LUCENA/FUTURA PRESS//ESTADÃO CONTEÚDO

Leia também:

Desde domingo, a delegacia especializada está investigando possível crime na divulgação de um vídeo do atacante Neymar. Acusado de estupro, o jogador da seleção brasileira publicou um vídeo nas redes sociais em que nega a acusação, ao mesmo tempo em que mostrava trechos de uma conversa e imagens da mulher que o acusa. 

Desde o ano passado, é crime passível de prisão a divulgação de imagens íntimas sem consentimento das partes. O vídeo foi retirado do ar nesta madrugada.

Nesta segunda, os policiais chegaram e saíram da Granja sem dar declarações. Procurada, a assessoria de imprensa da Polícia Civil se limitou a informar que a DRCI “irá apurar suposta divulgação de vídeo por parte do jogador Neymar”. A declaração é a mesma dada pela polícia no domingo, quando uma viatura da 110ª DP (Teresópolis) também foi à Granja.

A CBF disponibilizou assessoria jurídica à Neymar. O coordenador da seleção, Edu Gaspar, afirmou na manhã desta segunda que foi orientado a ficar “100% à disposição” para ajudar a resolver o caso “o mais rápido e da melhor maneira possível”.

Desde que a acusação de estupro contra Neymar veio à tona, no sábado, o tema é tratado com muita discrição na Granja Comary. Ainda nesta segunda, o técnico Tite foi bombardeado com perguntas sobre o tema. Ele não fez uma defesa enfática do jogador, mas disse que não poderia julgá-lo.

Polícia