Em evento com Moro, Vélez Rodríguez fala em iniciar ‘Lava Jato da Educação’

Uma investigação interna sobre atos das gestões anteriores encontrou indícios de corrupção e desvios que poderão dar origem à “Lava Jato da Educação”, disse nesta quinta-feira (14) o titular da pasta, Ricardo Vélez Rodríguez. A afirmação foi feita durante assinatura de um protocolo de intenções com outros órgãos de governo que vão apurar esses desvios. 

Ricardo Vélez Rodriguez - Marcelo Camargo/Agência Brasil/Divulgação/ND
Ricardo Vélez Rodriguez – Marcelo Camargo/Agência Brasil/Divulgação/ND

Estavam presentes os ministros da Justiça, Sérgio Moro, da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, e da Advocacia Geral da União (AGU), André Mendonça. Também participou o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A informação foi divulgada há pouco pela assessoria de imprensa da pasta.

Segundo o MEC, Vélez apresentou exemplos “emblemáticos” de favorecimentos indevidos no Programa Universidade para Todos (ProUni), desvios no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), envolvendo o sistema S, concessão ilegal de bolsas de ensino a distância e irregularidades em universidades federais.

O jornal O Estado de S. Paulo procurou a assessoria de imprensa de Vélez e solicitou detalhes sobre esses casos. Aguarda resposta.

O pente fino sobre gestões anteriores é uma das prioridades do ministro da Educação em seus primeiros cem dias. A pasta pretende enviar os documentos para os ministérios poderem “aprofundar investigações, instaurar inquéritos e propor medidas judiciais cabíveis.”

“Queremos apurar todos os desvios praticados por pessoas que usaram o MEC e as suas autarquias como instrumentos para desvios”, afirmou Vélez. Segundo a pasta, os demais ministros elogiaram a iniciativa e se colocaram à disposição.

(Lu Aiko Otta, Brasília)

Mais conteúdo sobre

Geral

Em evento com Moro, Vélez Rodríguez fala em iniciar ‘Lava Jato da Educação’

Uma investigação interna sobre atos das gestões anteriores encontrou indícios de corrupção e desvios que poderão dar origem à “Lava Jato da Educação”, disse nesta quinta-feira, 14, o titular da pasta, Ricardo Vélez Rodríguez. A afirmação foi feita durante assinatura de um protocolo de intenções com outros órgãos de governo que vão apurar esses desvios.

Estavam presentes os ministros da Justiça, Sérgio Moro, da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, e da Advocacia Geral da União (AGU), André Mendonça. Também participou o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A informação foi divulgada há pouco pela assessoria de imprensa da pasta.

Segundo o MEC, Vélez apresentou exemplos “emblemáticos” de favorecimentos indevidos no Programa Universidade para Todos (ProUni), desvios no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), envolvendo o sistema S, concessão ilegal de bolsas de ensino a distância e irregularidades em universidades federais.

O jornal O Estado de S. Paulo procurou a assessoria de imprensa de Vélez e solicitou detalhes sobre esses casos. Aguarda resposta.

O pente fino sobre gestões anteriores é uma das prioridades do ministro da Educação em seus primeiros cem dias. A pasta pretende enviar os documentos para os ministérios poderem “aprofundar investigações, instaurar inquéritos e propor medidas judiciais cabíveis.”

“Queremos apurar todos os desvios praticados por pessoas que usaram o MEC e as suas autarquias como instrumentos para desvios”, afirmou Vélez. Segundo a pasta, os demais ministros elogiaram a iniciativa e se colocaram à disposição.

(Lu Aiko Otta, Brasília)

Mais conteúdo sobre

Jornalismo

Nenhum conteúdo encontrado