Em Florianópolis, Haddad fala em reforma da Previdência diferente da proposta por Temer

Cumprindo agenda em Florianópolis, nesta terça-feira (18), o candidato petista Fernando Haddad disse que PT e PDT estarão juntos em um eventual segundo turno. Oficialmente uma semana como candidato pelo Partido dos Trabalhadores, depois da negativa da candidatura de Lula ser confirmada, Haddad dá sinais de que o partido poderá adotar uma estratégia para se aproximar mais do eleitorado de centro na reta final campanha.

Haddad faz ato político em Florianópolis - Flávio Tin/ND
Haddad faz ato político em Florianópolis – Flávio Tin/ND

Em conversa com jornalistas, Haddad disse que a saída para a crise dos brasileiros passa pelo enfrentamento aos cartéis bancários e por reformas como a fiscal, tributária e previdenciária. Esta última, a da Previdência, Haddad diz pretende construir de forma diferente do proposto pelo governo Temer (MDB). “Nosso plano de governo prevê o enfrentamento dos regimes próprios de previdência no primeiro ano de governo”, disse.

Enquanto nos bastidores as informações são de que Haddad estaria acenando a partidos de centro, ele contemporizou e disse que nenhuma conversação mudará a estratégia firmada no plano de governo. “A população está recebendo bem nosso plano. E nós temos recebido adesões de outros partidos”, disse afirmando: “há manifestações de vários integrantes de outros partidos na direção que nós consideramos correta para retirar o país da crise”.

O petista citou declarações do senador Tasso Jerenssati (PSDB), dadas ao Estadão, onde faz uma autocrítica do partido ao embarcar no governo Temer e aprovar matérias com intuito de prejudicar o PT.  “Se até o PSDB está nessa, nós podemos contar com alguma boa vontade no próximo governo”, disse avaliando a entrevista de Jerenssati de “corajosa”.

>> Haddad chega a Florianópolis para entrevista coletiva e ato político nesta terça-feira

>> Em Florianópolis, Haddad declara que PDT apoiará PT em eventual 2º turno das eleições

Candidato faz promessas sobre ferrovias e pesca

Antes de participar de um ato de campanha no Largo da Catedral, onde compareceram cerca de 3 mil pessoas, Haddad também fez promessas para alavancar a economia catarinense. Se comprometeu em dar continuidade aos projetos ferroviários, como a construção da ferrovia do frango, e também de reestimular o setor pesqueiro, que acabou reduzido a uma Secretaria Especial pelo governo Temer.

Ao lado de Décio Lima, candidato ao governo, Lédio Rosa e Ideli Salvatti, ambos ao Senado, ao falar para eleitores Haddad citou várias vezes o presidente Lula. Ao ser interrompido pelo público ao coro de “Ele Não”, em referência a Bolsonaro, disse: “Estou ansioso para chegar o segundo turno”.

“Ciro é meu colega de ministério, meu amigo, uma pessoa que eu prezo do ponto de vista ideológico e não tenho nenhum medo de dizer que nossos programas são em certo ponto compatíveis”, Fernando Haddad sobre apoio do PDT no segundo turno.

Eleições 2018