Em seis dias, Itajaí registra mais mortes pela Covid-19 do que total de abril e maio

Atualizado

O município de Itajaí registrou em seis dias um número maior de mortes pela Covid-19 do que a soma dos notificados nos meses de abril e maio. Entre os dias 5 e 11 de junho, oito pessoas morreram na cidade vítimas do vírus respiratório. Nos dois meses anteriores foram registradas três e sete óbitos, respectivamente.

De acordo com a secretaria municipal de saúde, 19 pessoas morreram em Itajaí pela Covid-19 – Foto: PMI/Divulgação

No total, segundo dados da secretaria de saúde de Itajaí, 21 pessoas morreram em razão do vírus. Os casos mais casos mais recentes são de um homem, 55 anos, e de uma mulher, de 32 anos, que estava internada no Hospital Marieta Konder Bornhausen desde o dia 30 de maio.

A primeira morte no município foi no dia 4 de abril. Maria Aparecida de Souza, de 53 anos, morreu após passar uma semana internada na UTI do Hospital Marieta. Naquele mês, morreram também Tânia Mara Migliorini, 62 anos, e João Carlos Santos, 65 anos, no dia 23.

Leia também:

Em maio, a primeira morte pela Covid-19 em Itajaí aconteceu apenas no dia 24, mais de um mês após o óbito de João. Na ocasião, comércio de rua, hotéis, construção civil, autoescolas, bares, restaurantes e shoppings já haviam retornado suas atividades. A decisão da prefeitura seguiu decretos estaduais que autorizam a liberação dos setores.

Ao longo do mês, foi confirmada pela primeira vez no município duas mortes na mesma data, 25 de maio. Eram Anselmo da Silva, 59 anos, e Gertrudes de Oliveira de 75. Nos dias 27, 29 e 30 outras quatro mortes foram registradas em Itajaí. No fim daquele, houve uma explosão de casos na cidade.

Pacientes eram do grupo de risco ou tinham comorbidades

Questionada sobre o aumento no número de casos e óbitos em período tão curto, a prefeitura de Itajaí disse não haver um motivo específico para o crescimentos das vítimas.. “Tivemos um aumento de casos confirmados e esses pacientes que morreram ou tinham comorbidades, ou eram do grupo de risco”, afirmou a administração.

Ainda sobre o assunto, a prefeitura disse que “a doença evolui de forma distinta em cada organismo, sendo que a maior parte dos casos na cidade foram leves e moderados”.

Sobre as mortes, o órgão afirmou que todos os pacientes apresentavam alguma comorbidade ou faziam parte do grupo de risco, tendo assim mais chance de desenvolverem quadros graves.

Para o virologista professor da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), Daniel Mansur, é preciso considerar também que o número o maior de pessoas infectadas também influencia no aumento das mortes.

“Às duas coisas não são excludentes. Você tem uma chance muito maior das pessoas morrerem porque tem comorbidades e quando você tem um aumento de casos, vai ter um aumento de chances dessas pessoas estarem infectadas”, afirma Mansur.

Estado acompanha aumento de casos

O aumento no número de casos em Itajaí é acompanhado pelo governo do Estado. “O município de Itajaí tem apresentado uma circulação do SARS-CoV-2 mais elevada que outros municípios do estado, como podemos observar pelo elevado número de casos e também pela incidência de casos por 100 mil habitantes. Desta forma, são observados, proporcionalmente, mais óbitos naquela cidade”, disse a SES.

Contudo, a Secretaria diz que a taxa de letalidade (proporção de óbitos e casos) no município é mais baixa se comparada a outras cidades do estado e mesmo que o observado nos outros estados do país.

Itajaí é a terceira em número de casos da Covid-19

Na última sexta-feira (12), Itajaí ultrapassou Florianópolis e se tornou o terceiro município com mais casos confirmados de Covid-19 no Estado. Na data a Capital tinha 900 infectados, enquanto a cidade do litoral Norte chegava aos 914. Chapecó e Concórdia, eram as que mais tinham registros da doença com 1.064 e 1.018, respectivamente.

Após cinco dias, Itajaí mantém a posição de terceira em número de infectados. Pelos dados da SES, a cidade tem 1.010 casos confirmados, número menor do que o divulgado pela secretaria de saúde do município. De acordo com o último boletim divulgado pela secretaria na noite de terça-feira (16), 1.134 pessoas foram contaminadas.

A prefeitura de Itajaí afirmou que a diferença entre os dados acontece porque o Estado só contabiliza o que já está nos sistemas oficiais do Ministério da Saúde.

“A equipe da Vigilância Epidemiológica faz o registro no sistema o mais rápido possível. Mas deve-se considerar ainda que o horário de fechamento dos dados por parte do Estado para elaboração de seu boletim é diferente do fechamento do município”, disse por nota. Ressalta ainda que todos os casos são informados ao Estado.

A prefeitura disse ainda que todos os casos confirmados são informados ao Estado e que testa, além de pacientes graves, pessoas com sintomas leves e moderados, desde que exista indicação médica.

SES diz que integra base de dados

Já a SES diz ter desenvolvido a plataforma Boa Vista a para integrar todas as informações dos sistemas relacionados à Covid-19. Nesse local estão incluídas diversas bases de dados de saúde, como o SIVEP Gripe, eSUS-VE, dados dos laboratórios privados e de óbitos.

“Esta integração pode gerar duplicidades, razão pela qual é de extrema importância que todas as informações contidas nas fichas sejam inseridas de forma correta”, comentou a Diretoria.

A SES afirmou que trabalha para que todas essas inconsistências sejam corrigidas o mais breve possível. E reforçou que os municípios que verifiquem diariamente todos os sistemas (Gal, eSUS-VE e SIVEP Gripe) e que articulem com os laboratórios privados da sua região para que realizem as notificações dos casos positivos.

Mais conteúdo sobre

Saúde