Encantador de cavalos Monty Roberts é atração CTG Os Praianos em São José

Americano promete mudar a maneira que os cavalos são domados no Estado. Ele ensina os animais sem utilizar a força bruta

Daniel Queiroz/ND

Visita ilustre. Monty Roberts esteve no CTG Os Praianos nesta sexta-feira e se apresenta no próximo dia 29, domingo, demonstrando seu método para domar cavalos sem usar violência e força

A passagem do caubói americano Monty Roberts promete mudar a maneira que os cavalos são domados no Estado. Ele quer plantar a semente de que é possível amansar os animais sem o método tradicional, que utiliza a força bruta. Roberts está em Santa Catarina para promover o 40º Rodeio Nacional e Festa Praiana do CTG (Centro de Tradições Gaúchas) Os Praianos, de São José. O “Encantador de Cavalos”, como ele é conhecido, participa de uma cavalgada a partir das 6h30 de sábado. Ele se apresenta no rodeio no próximo dia 29, às 17h.

Roberts é a imagem do caubói americano, exceto pelos bons modos e cordialidade. Chapéu, calças jeans justas, botas e cintos com grandes fivelas. Ele se destaca por utilizar as mesmas cores nas vestimentas, principalmente à inconfundível camisa azul e o lenço vermelho que adorna o pescoço. Diz que facilita a edição dos vídeos, mas reconheceu que gosta do estilo. Essa é a quinta vez que visita o país. Já se apresentou em São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Rio de Janeiro.

Na tarde de sexta-feira, o domador fez questão de conhecer as instalações do CTG. Atento, avistou de longe um cavalo amarrado. Logo alertou que a corda estava muito longa e que o animal poderia se enroscar. Durante a apresentação, no próximo final de semana, Roberts vai adestrar quatro cavalos na frente do público. Com isso, pretende mudar a consciência dos catarinenses. “Eles vão perceber que a violência não é a resposta. Essa é a mensagem que quero passar. Em média, 10% das pessoas que assistem meus ensinamentos mudam”, disse.

O patrão do CTG Os Praianos, Evilásio de Oliveira Santos, justificou a presença do caubói na festa. “Nosso objetivo maior é o cavalo. Queremos mostrar que se pode domar um animal sem machucar”, justificou. A demonstração técnica já foi vista por dois milhões de pessoas ao redor do mundo.

Cavalos salvaram a vida do adestrador

Monty Roberts, 77 anos, desenvolveu o método de adestrar os animais ainda menino. Filho de um domador profissional violento, frequentemente sofria agressões do pai. O saldo foram 72 fraturas espalhadas pelo corpo.  Observando as sessões de doma com força bruta, Roberts desenvolveu a técnica do Join Up.

om um demorado cafuné na cabeça do animal, ele começa a estreitar laços. Em cerca de 30 minutos, obtém êxito na adestração colocando rédeas e ensinando sinais de direção.  “Essa relação especial ocorre porque os cavalos salvaram a minha vida. Eu entendo eles. É pura conversa, comunicação e linguagem”. Ele compara a técnica a um processo de conhecimento entre duas pessoas. “Você pode gostar, não gostar ou ficar indiferente a pessoa”, contou.

Humilde, Roberts garantiu que não há mágica no trabalho que desempenha. Tanto que já ensinou mais de 300 pessoas ao redor do mundo, inclusive no Brasil. A eficácia e tempo de aplicação do método são os trunfos que ele utiliza para abolir as agressões, que segundo ele, ainda são mais comuns no Brasil, México e Argentina. “Qualquer um pode aprender a técnica. Quem já lida com animais, consegue fazer isso com quatro dias de treinamento”, ressaltou.

Monty Roberts é amigo pessoal da rainha da Inglaterra. A relação próxima beneficiará três brasileiros no mês de junho de 2014, no castelo da realeza britânica. Eles serão condecorados pela rainha pela prática da doma. “Perguntei se ela daria certificados se eu conseguisse mudar a técnica no Brasil, Argentina e México. Isso já está acontecendo”, comemorou.

O verdadeiro Robert Redford

A trajetória de vida de Monty Roberts inspirou o filme “O encantador de cavalos”, com Robert Redford, de 1998. Apesar de gostar do reconhecimento, Roberts não concorda o método que algumas cenas do longa-metragem foram feitas.  “É Hollywood. Eles fazem de tudo para fazer ingressos. Eles apertaram demais a sela no cavalo e fizeram um menino cair”, lembrou.

O caubói escreveu os livros “Violência não é resposta” e o “O homem que ouve cavalos”, que ficou por mais de um ano na lista dos mais vendidos nos Estados Unidos e Inglaterra. Durante a passagem por Santa Catarina, Monty Roberts vai dedicar um tempo para alunos da Unisul. Ele realiza palestra sobre outra técnica desenvolveu: a equinoterapia. Metodo que utiliza os cavalos no tratamento de pessoas com necessidades especiais.

+

Notícias