Enfoque diferente para as empresas

Rogerio da Silva

Roberto Adami Tranjan, autor do Metanoia, propõe uma nova cultura de gestão de negócios

Conduzir a empresa de forma lucrativa, mas ao mesmo tempo eticamente e com atenção ao ser humano. Essa estratégia administrativa parece simples de se por em prática e comum em nossa realidade, mas aplicá-la não é tão fácil como imaginamos, de acordo com o escritor e consultor Roberto Adami Tranjan, que esteve em Joinville nesta quinta-feira para o lançamento da edição comemorativa de dez anos do livro Metanoia, hoje um dos mais vendidos do Brasil na área de negócios, e para difundir ainda mais a cultura metanóica de gerir uma empresa.

Lançado originalmente em 2002, já vendeu mais de 80 mil unidades, em 14 edições. A edição comemorativa teve uma tiragem inicial de 10 mil unidades.

O dicionário define metanoia como “mudança no pensamento ou no sentimento”. Adami explica que seu livro aborda, a partir desse significado, como a empresa pode se tornar mais lucrativa, colocando em prática ações que vão torná-la também mais humana e ética. “É preciso quebrar com o padrão da empresa da era industrial. Essa cultura se baseia na confiança e na participação de todos os envolvidos na empresa”, explica.

“As empresas tradicionais focam só o crescimento. Com a metanoia, focamos o lucro e o equilíbrio da tríade corpo, mente e alma, como o ser humano mesmo. A empresa só funcionará bem estando saudável como o corpo humano”, ressalta.

Adami defende que só o lucro também não é suficiente hoje. Segundo ele, é preciso mais que dinheiro, é preciso a “metariqueza”. “Saímos da era da indústria e entramos na era do conhecimento. Hoje, a riqueza que buscamos é a da evolução humana. Riqueza de valores, de conhecimento, de virtudes. O conhecimento é a moeda atual, com alto poder de multiplicação”, defende. “O conhecimento faz o capital, mas o capital nem sempre faz o conhecimento”, completa.

Segundo Adami, pelo menos 30 empresas de Joinville já adotaram a nova cultura da metanoia, entre elas: Lepper, Paviloche, Som Maior, A2C, W Prime, Incorposul, Stagio Marcas e Patentes, e Proelt Engenharia.

Assim como o personagem Lucas, do livro Metanoia, a maioria das empresas busca essa nova cultura em momentos de crise. “Assim como o homem, em geral, a empresa só busca ajuda quando está doente. Nem todos os gestores são visionários. A mudança de visão é importante em todos os momentos, pois o presente não garante o futuro”, orienta.

Adami é autor também dos livros “Uma empresa de Corpo, Mente e Alma”, “Não Durma no Ponto”, “Pegadas” e “Rico de Verdade”. Ele prepara o lançamento de outro ainda para este ano, onde deverá tratar das empresas familiares e o desafio da sucessão.

Economia