Entidades brasileiras de medicina fazem alertas sobre o uso da Vitamina D e a COVID-19

Uma nota de esclarecimento foi divulgada pelas entidades, devido ao grande número de informações sobre o uso de altas doses de Vitamina D como estratégia de otimização de imunidade frente ao novo coronavírus (COVID-19).

Uso indiscriminado de Vitamina D pode causar sérios danos à saúde – Foto: Pixabay

Preocupadas com as indicações de altas doses da vitamina, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO) divulgaram uma nota sobre a Vitamina D e Covid-19.

 Segundo a nota, a SBEM, por meio de seu Departamento de Metabolismo Ósseo e Mineral, e a Abrasso, manifestaram repúdio às recomendações para uso de altas doses de colecalciferol (vitamina D3) como estratégia de otimização de imunidade frente ao novo coronavírus (COVID-19).

A médica endocrinologista e clínica geral, Cristina Schreiber de Oliveira, reforça as informações desta nota, alertando para que todos tenham cuidados com informações que não sejam científicas.

“Na dúvida, consulte seu médico de confiança, mesmo por meio de telemedicina. Mas não siga recomendações sobre a COVID-19 que não estejam expressamente recomendadas pelas autoridades oficiais”, alerta a especialista.

“As possíveis ações extra-esqueléticas da vitamina D são temas de interesse científico. Entretanto, não existe, até o presente momento, nenhuma indicação aprovada para prescrição de suplementação de vitamina D visando efeitos além da saúde óssea”, diz a nota das entidades.

Leia também:

Autoridades informam portadores de doenças da Tireoide diante da pandemia da Covid-19

Covid-19: Fique atento ao score de definição de casos e protocolos de convivência

Estudo na Universidade de Turim

Recentemente o Jornal italiano, “La Reppublica” publicou uma matéria sobre um estudo realizado na Universidade de Turim, o qual relaciona a hipovitaminose D a Covid-19, uma vez que parte dos pacientes com o vírus apresentavam níveis baixos de 25-hidroxivitamina D (25OHD).

As entidades reclamam que, baseadas nesta informação, a reportagem sugere que a vitamina D poderia atuar na prevenção e no tratamento ao COVID-19.

“Este estudo ainda não foi publicado em nenhuma revista científica, não tendo sido disponibilizados os dados mais relevantes como número de participantes, idade dos pacientes e os níveis de 25OHD no sangue”, esclarece a nota.

Veja mais tópicos da nota:

+

– Não causa surpresa o achado de níveis séricos mais baixos de 25OHD em pacientes com formas moderadas a graves da COVID-19, já que as comorbidades apresentadas comumente por esses indivíduos (por exemplo, doenças crônicas, doenças inflamatórias, obesidade e diabetes) são primariamente ASSOCIADAS à deficiência de vitamina D.

+

– Esta associação NÂO determina causalidade, ou seja, NÃO indica relação de causa x efeito, e NENHUM estudo clínico randomizado já demostrou qualquer benefício do uso de vitamina D para prevenção ou tratamento da Covid-19.

+

– As entidades alertam para recomendações infundadas sobre suplementação de Vitamina D na prática clínica, colocando inclusive, de maneira irresponsável, o Posicionamento da SBEM de 2014 sobre esse tema como uma de suas referências.

ATENÇÃO:

– Altas doses de colecalciferol, como as 600.000 unidades indicadas pela ABRAHOF como dose de ataque, são sabidamente deletérias ao esqueleto, promovendo aumento da reabsorção óssea e do risco de quedas e fraturas. Além disso, essas doses excessivas podem agudamente desencadear hipercalcemia e hipercalciúria, com consequentes riscos de insuficiência renal, crises convulsivas e morte.

Polivitamínicos não protegem do contágio do Novo Coronavírus – Foto: Divulgação Abeso

 

“Dessa forma, reforçando o compromisso da SBEM e da ABRASSO com a divulgação de informações corretas, relevantes e com respaldo científico, reprovamos de maneira veemente qualquer profissional ou associação que tente se aproveitar deste momento de crise para divulgar notícias ou posicionamentos distorcidos, desprovidos de respaldo científico e com possível impacto deletério para a saúde da população brasileira”, finaliza a nota.

Diante da preocupação das entidades, a médica endocrinologista aconselha:

“O uso de polivitamínicos não protege do contágio do Novo Coronavírus. A verdadeira proteção se faz com os cuidados de higiene e o isolamento social, principalmente para os grupos de risco. Consulte seu médico em relação ao uso de alguma vitamina em suplementação.”

 

Dra. Cristina da Silva Schreiber de Oliveira
@dracristinaschreiber
falecom@dracristinaschreiber.com.br
WhatsApp: 55 (48) 9 9184-3103
https://dracristinaschreiber.com.br/

 Edição: Alessandra Cavalheiro / Mtb 9775

Mais conteúdo sobre

Saúde Mais