Equipamentos de iluminação das pontes que dão acesso a Ilha de Santa Catarina são furtados

Arquivo/ND

Iluminação da pontes, como mostra a foto, ficou prejudicada por furtus de equipamentos

Neste fim de semana, as pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Salles, ligação entre Ilha e Continente, ficaram sem iluminação, para espanto dos moradores da Capital. A suspeita é de que moradores de rua roubaram 15 projetores equipados que fazem parte do sistema de luzes azuis,usadas para realçar a ponte Colombo Salles, além de terem cortado os fios de alimentação das duas pontes. Para realizar o furto, foi preciso abrir uma tampa de 90 quilos e cortar os fios.Ttudo indica que os autores chegaram a levar choques. Segundo o gerente da Consórcio FQE, que realiza manutenção da iluminação pública de Florianópolis, Flávio Fernandes, o prejuízo pode chegar a R$11 mil.

Essa não é a primeira vez que isso acontece. Em cinco anos, Fernandes estima que mais de 10 furtos de fios de cobre e projetores já tenham sido registrados no local. “Passamos a usar cabeamento subterrâneo, porque eles roubavam os fios de cobre para revenda. Colocamos tampas de ferro, mas mesmo assim eles conseguem abrir e roubar os projetores. Eles romperam os cabos na tentativa de furto e fizemos emendas, porém vamos ter que trocar tudo mais para frente. Já com relação aos projetores, teremos que estudar para ver se vale a pena colocar esse mesmo tipo de equipamento”, explica Fernandes.

Segundo Luis Carlos Lima de Oliveira, trabalhador da empresa contratada pela prefeitura, os responsáveis pelo ato são usuário de crack, que utilizam o material roubado para trocar pela droga. “Já vim trabalhar aqui e eles me ameaçaram, jogaram até pedra. Às 6h da manhã, não há como vir aqui”, afirma. O local não tem qualquer tipo de monitoramento de segurança, inclusive para quem utiliza a passarela a pé ou de bicicleta da ponte Pedro Ivo.

Mais segurança para pedestres e ciclistas

O Deinfra abriu licitação para o projeto de revitalização da passarela Sul da ponte Pedro Ivo (Continente-Ilha). De acordo com o diretor de Planejamento, William Wojcikiewicz, além de melhorias na infraestrutura, a passarela receberá um sistema de videomonitoramento. Além do aspecto degradado, um dos principais problemas hoje para utilizar a passarela é a falta de segurança.

Segundo o edital de licitação, a empresa de consultoria deverá elaborar, em 120 dias, projeto executivo para adequação da passarela, sistema guarda-corpos, de iluminação, implantação de sistema de monitoramento em tempo real, respeitando acessibilidade nos acessos e ao longo de todo o trajeto. Com mais iluminação e segurança, furtos como o dos refletores no fim de semana poderão ser evitados.

Outra modificação, segundo Wojcikiewicz, será o prolongamento de aproximadamente 150 metros da passarela no lado insular, para que o acesso passe sobre a rua Antônio Pereira Oliveira Neto (embaixo das cabeceiras) e chegue até o Terminal Rodoviário Rita Maria, evitando a travessia perigosa de pedestres e ciclistas em meio aos carros que hoje existe no local. (Maiara Gonçalves)

Cidade