Estupradores de três crianças irmãs são condenados à prisão na Grande Florianópolis

Dois homens foram condenados a 80 anos e 22 anos de prisão pelo estupro de três crianças irmãs, na cidade de Palhoça. A denúncia foi feita pelo MPSC (Ministério Público de Santa Catarina). Um dos homens, condenado a 80 anos de reclusão, era o padrasto das meninas e abusou delas por seis anos. O outro homem, que era namorado da mais velha das três irmãs, foi condenado a 22 anos de prisão.

A denúncia feita pelo MPSC relata que entre 2007 e 2013, se aproveitando da ausência da mãe, o padrasto abusou das três meninas. Os abusos iniciavam quando as crianças tinham por volta de seis anos de idade e para garantir o silêncio das meninas sobre os abusos, o padrasto ameaçava matar as três irmãs.

Leia também:

Já o outro homem, começou a namorar a mais velha das três irmãs quando ela completou 13 anos, tendo mantido relações sexuais e engravidado a vítima. A denúncia também apontou que o réu abusou e teve relações sexuais com as outras duas irmãs, que tinham entre 12 e 13 anos na época.

As meninas foram abrigadas assim que os abusos foram descobertos e passaram a ser investigados. Ouvidas mediante depoimento especial – sistema que evita que a criança ou adolescente vítima de violência tenha que repetir seu depoimento nas diversas fases do processo e seja revitimizada – as meninas detalharam os repetidos abusos que sofreram.

Diante das provas e dos fatos apresentados pelo MPSC, o padrasto das crianças foi condenado a 80 anos de prisão em regime inicial fechado. Já o outro acusado foi condenado a 22 anos de prisão, também em regime inicial fechado. Mas, ao contrário do padrasto, ele poderá recorrer da decisão em liberdade.

Polícia