Ex-presidente da Epagri é solto após pagar fiança e terá que usar tornozeleira eletrônica

Atualizado

O ex-presidente da Epagri, Luiz Ademir Hessmann, preso desde o dia 30 de maio deste ano, na operação Alcatraz, foi solto na tarde desta terça-feira (17) após pagar a fiança no valor de R$ 50 mil e terá que usar tornozeleira eletrônica.

Ex-presidente da Epagri estava preso desde o dia 30 de maio deste ano no Complexo Penitenciário da Agronômica, em Florianópolis – Secom/Divulgação

Conforme o advogado Marlon Bertol, que atua na defesa de Hessmann, a fiança foi paga na tarde desta terça-feira (17). O ex-presidente da Epagri terá que usar a tornozeleira eletrônica no perímetro de monitoramento, situado em Ituporanga, no Vale do Itajaí, onde fica a sua residência. Ele também teve que entregar o seu passaporte para a Justiça.

Outras medidas cautelares foram propostas pela 1ª Vara Federal de Florianópolis. Além do uso da tornozeleira eletrônica, Hessmann está proibido de manter contato via telefone, pessoalmente ou por qualquer outro meio com os demais investigados.

Leia também:

Ele também não poderá se ausentar do município onde reside sem autorização judicial, mudar de casa sem prévia permissão e ausentar-se por mais de oito dias sem comunicar à Justiça onde poderá ser encontrado.

Também foi afirmado o seu afastamento do cargo de servidor público e o comparecimento mensal em Juízo, que poderá ser feito na Justiça Federal de Rio do Sul, no Vale do Itajaí.

O valor inicial da fiança proposta pelo TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4° Região) foi reduzida de R$ 300 mil para R$ 50 mil após decisão liminar no ministro Joel Paciornik, publicada na segunda-feira (17). O ex-presidente da Epagri estava preso desde o dia 30 de maio deste ano no Complexo Penitenciário da Agronômica, em Florianópolis.

Justiça